SÃO SEBASTIÃO

PADROEIRO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

São Sebastião nasceu em Petrória *, na Itália, de acordo com Santo Ambrósio, por volta do século III. Pertencente a uma família cristã, foi batizado em criança. Mais tarde, tomou a decisão de engajar-se nas fileiras romanas e chegou a ser considerado um dos oficiais prediletos do Imperador Diocleciano.

Contudo, nunca deixou de ser um cristão convicto e ativo. Fazia de tudo para ajudar os irmãos na fé, procurando revelar o Deus verdadeiro aos soldados e aos prisioneiros. Secretamente, Sebastião conseguiu converter muitos pagãos ao cristianismo. Até mesmo o governador de Roma, Cromácio, e seu filho, Tibúrcio, foram convertidos por ele.

Em certa ocasião, Sebastião foi denunciado, pois estava contrariando o seu dever de oficial da lei. Teve, então, que comparecer ante o imperador para dar satisfações sobre o seu procedimento. O imperador se queixou de que tinha confiado nele, esperava dele uma brilhante carreira e ele o havia traído.

Diante do Imperador, Sebastião não negou a sua fé e foi condenado à morte, sem direito à apelação. Amarrado a um tronco, foi varado por flechas, na presença da guarda pretoriana. No entanto, uma viúva chamada Irene retirou as flechas do peito de Sebastião e o tratou.

Assim que se recuperou, demonstrando muita coragem, se apresentou novamente diante do Imperador, censurando-o pelas injustiças cometidas contra os cristãos, acusando-o de inimigo do Estado. Perplexo com tamanha ousadia, Diocleciano ordenou que os guardas o açoitassem até a morte. O fato ocorreu no dia 20 de janeiro de 288.

NO BRASIL

São Sebastião é a cidade mais antiga do Litoral Norte. Antes da colonização portuguesa, a região de São Sebastião era ocupada por índios Tupinambás ao norte e Tupiniquins ao sul, sendo a Serra de Boiçucanga - 30 km ao sul de São Sebastião - uma divisa natural das terras das tribos. O município recebeu este nome em homenagem ao santo do dia em que passou, ao largo da Ilha de São Sebastião - hoje Ilhabela -, a expedição de Américo Vespúcio: 20 de janeiro de 1502.

É um santo muito popular e padroeiro do município do Rio de Janeiro, dando seu nome à cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Reza a lenda que, na batalha final que expulsou os franceses que ocupavam o Rio, São Sebastião foi visto de espada na mão entre os portugueses, mamelucos e índios, lutando contra os franceses calvinistas.

Além disso, o dia da batalha coincidiu com o dia do santo, celebrado em 20 de janeiro. São Sebastião é o protetor da Humanidade contra a fome, a peste e a guerra.

Nota da Redação do Site:
*Existem controvérsias sobre o local de nascimento do Santo Padroeiro:

Mártir cristão, nascido segundo alguns em Milão, cidade de sua mãe, e segundo outros em Narbona, terra natal de seu pai, sendo sua festa celebrada a 20 de janeiro. Passou a maio parte de sua vida em Roma, ao tempo do imperador Diocleciano.(fonte-Site: http://pt.wikipedia.org )

www.portovelhonet.com.br/opiniao Mártir cristão, nascido segundo alguns em Milão, cidade de sua mãe e, segundo outros em Narbona, na França, terra natal de seu pai, sendo sua festa ...
Maria de Lourdes Micaldas

Pesquisa em diversos sites
Webdesigner: Lika Dutra

ORAÇÃO A SÃO SEBASTIÃO PELO RIO DE JANEIRO

São Sebastião, que a vós temos profundo amor e veneração, exaltamos a Deus por ter-Vos levado a tamanho grau de santidade.

Padroeiro dos que sofrem epidemias, pedimo-vos nestes momentos por quais passam o nosso mundo, com promessas de guerras nucleares, vossa intervenção.

São Sebastião, vós que fostes eleito como padroeiro do Rio de janeiro, intercedei junto a Deus pelos seus habitantes para que corrijam os maus costumes, principalmente da moralidade, fazendo-os crescer em virtudes e santidade.

Por Cristo, Nosso Senhor.

Amém.


S Ã O   S E B A S T I Ã O
(Padroeiro da Cidade de Rio de Janeiro)
* 20/01

São Sebastião nasceu na França, província de Narbonne,
Como filho de militar seguiu a carreira no exército romano.
Chegando a Capitão da primeira corte da guarda pretoriana,
Sebastião era elogiado por soldados e o imperador Maximiliano,
Porém, ele servia a dois exércitos: o de Cristo e o de Roma!
Na época, (final do século III) o exército romano era governado no Oriente, por Deocliciano e no Ocidente, por Maximiliano...

Sebastião não ia aos cultos de sacrifícios e idolatrias pagãs,
Pois igualava-se a muitos soldados romanos convertidos a fé cristã,
Sebastião, visitava os cárceres e ajudava os discípulos de Jesus.
Denunciado a Maximiliano, este, logo entrou em ação:
- Excluiu do exército das forças armadas todos soldados cristãos.

Raivoso, Maximiliano mandou trazer Sebastião à sua presença.
Por não renunciar à fé cristã, Sebastião sofreu a dura sentença:
- Ele seria atado num poste, desnudado e flechado por arqueiros!
No estádio do Palatino depois de receber uma chuva de flechas,
Agonizado, Sebastião ficou sangrando até morrer, ali, abandonado.

Os amigos cristãos de Sebastião foram até o local do martírio;
Eles notaram com espanto que o santo ainda estava com vida,
Logo, levado à casa de Irene, recebeu cuidados em suas feridas.
Curado, ao invés de se esconder Sebastião foi até Maximiliano,
Lá, pediu-lhe que não mais perseguissem as pessoas cristãs.
O imperador negou o pedido e mandou açoitá-lo até a morte!
São Sebastião, mártir da fé cristã, não teve a sua morte em vã.

Autor: Manuel de Almeida (Manal)
* Copyright

Para acessar matérias anteriores,
clique na caixa abaixo.

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui

<< Clique Aqui para voltar