Logomarca Velhos Amigos
INTERAÇÃO / A PALAVRA É SUA

CENÁRIO ELEITORAL DO RIO ESPELHA O NACIONAL
publicado em: 26/07/2018 por: Lou Micaldas

Olá, bom dia.

O quadro eleitoral no estado do Rio se assemelha ao que a política enfrenta nacionalmente. Depois de uma pré-campanha em que atuou apenas nos bastidores — até hoje ele não assumiu oficialmente que será candidato —, o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) negocia com um leque de mais de dez partidos. É um paralelo perfeito com a adesão conseguida pelo tucano Geraldo Alckmin nacionalmente, que atraiu, depois de intensas negociações, o centrão.

Nas duas situações, existem vantagens, como a ampliação do tempo de TV. Mas também desvantagens, porque os partidos agregam consigo passados no mínimo polêmicos.  No caso de Paes, o MDB, seu partido até o começo do ano, está no cerne da Lava-Jato do Rio: as principais lideranças da legenda no estado estão presas. Assim como na campanha presidencial, os pré-candidatos estão com dificuldadade para encontrar vices e têm que lidar com fantasmas do passado de seus partidos e com desafios de limitações em suas campanhas. 

Questões com vices

Depois da desistência de Josué Gomes, o centrão tenta plano B para vice de Alckmin. Nomes como Mendonça Filho (DEM-PE)  e Aldo Rebelo (SD-SP) são apontados como potenciais candidatos a vice de Alckmin. A busca pelo vice segue na trincheira tucana. 

Também com problemas para encontrar o nome de seu vice,  Jair Bolsonaro (PSL) tem discordâncias radicais de Janaína Paschoal (PSL) — cotada para a vaga — em questões como cotas raciais e redução da maioridade penal.

Já Marina Silva cogita Ricardo Paes de Barros, criador do Bolsa Família, para o posto de vice.  

Radicalização à esquerda

Num aceno ainda mais radical à esquerda, o pedetista Ciro Gomes disse que, caso eleito,  "é o único que pode tirar Lula da cadeia e enquadrar juízes".   Está de olho no eleitorado de Lula. 

O ex-governador Sérgio Cabral passou parte da terça-feira na solitária, no presídio de Bangu 8. Segundo o promotor André Guilherme, ele teria se recusado a ficar em "posição de respeito" — com a cabeça baixa e virado para a parede — durante inspeção da cela. No fim do dia, a Vara de Execuções Penais acabou com o isolamento.

Autor(a): Maiá Menezes

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA