Logomarca Velhos Amigos
INTERAÇÃO / A PALAVRA É SUA

Com finanças comprometidas, gestão do ex-bispo da Igreja Universal acumula críticas

Há uma frase que vem se repetindo entre os cariocas nos últimos meses: “Cadê o Crivella?”. O questionamento sobre o prefeito do Rio começou quando se ausentou de debates de campanha; prosseguiu na demorada transição de governo; foi além do Carnaval, quando viajou ao exterior e quebrou a tradição de inaugurar e curtir a festa mais comemorada da cidade; e estendeu-se à sua gestão como um todo. A preocupação de ninguém saber o que o prefeito andava fazendo chegou até seu gabinete. A comparação era óbvia: enquanto seu homólogo em São Paulo, João Dória, tornou-se onipresente e um rei da pirotecnia política e das redes sociais, Marcelo Crivella fez seis meses no comando da segunda cidade do país praticamente sem manchetes.

A resposta foi uma campanha milionária, mas efêmera, na mídia. Em quatro spots publicitários, atores transmitem o que o prefeito não tem conseguido efetivamente comunicar. Uma moradora do Méier diz que agora –sem mencionar que a cidade experimenta um aumento de praticamente todos os indicadores de violência – se sente mais segura com a Guarda Municipal patrulhando as ruas ao invés de perseguindo camelôs; um trabalhador da TransBrasil orgulha-se da retomada das obras que –algum dia– ligarão a Baixada Fluminense com o centro da cidade; e uma idosa da favela da Rocinha comemora o mutirão na saúde que acelerou sua cirurgia de cataratas. Pequenas conquistas de uma lista de mais de 40 promessas concretas que a crise ameaça enterrar. A campanha ainda dá munição ao discurso de Crivella desde que tomou posse e com o qual justifica uma agenda de cortes e sem grandes projetos: a gestão de Eduardo Paes deixou o caixa municipal seco e com contas a pagar. “É momento de arrumar a casa”, repete-se no entorno de Crivella.

A ação do prefeito, no entanto, não evitou que virasse protagonista de duas polêmicas que, segundo um colaborador, revelaram não tanto os erros dele e sim da equipe de assessores e secretários que o rodeia. A primeira foi quando, duas semanas atrás, o ex-bispo da Igreja Universal resolveu diminuir de 24 a 12 milhões de reais a subvenção municipal das escolas de samba. O objetivo era destinar o dinheiro a creches conveniadas com a Prefeitura, mas o anúncio despertou a ira dos mestres do Carnaval que ameaçaram com não celebrar os desfiles. O episódio, ainda, reavivou a recorrente questão de se Crivella estaria agindo mais por preceitos religiosos do que financeiros.

Na verdade, Crivella, que reclama por ter herdado um déficit no orçamento de 3,2 bilhões, estava cortando um aumento concedido por Paes em 2016, mas não se sentou com as escolas de samba para discutir o assunto pessoalmente. Apesar de que 78% dos cariocas concordam com sua decisão, segundo uma pesquisa posterior encomendada pelo jornal O Dia, a polêmica se desatou gerando um incendiado debate sobre as prioridades do prefeito e a caixa preta dos desfiles do Carnaval. Mas Crivella, enquanto isso, estava na Holanda acompanhando uma conferência global sobre o uso de bicicletas. “Foi mal comunicado, poderia ter sido feito de outra maneira e ter levado as escolas para seu lado. Os erros por parte da equipe de comunicação no dia-a-dia são primários - falta visão estratégica e unicidade de comando”, avalia um colaborador. “É como se o prefeito não recebesse ou não ouvisse nenhuma orientação sob o ponto de vista da comunicação, ou pior, ouvisse palpites demais”, completa.

A segunda prova de fogo de Crivella veio em forma de temporal na semana passada. Uma chuva incomum no mês de junho alagou vários bairros da cidade. A rua do Jardim Botânico, por exemplo, parecia um pantanal, e as reportagens alertavam que passageiros presos nos ônibus não tinham coragem de sair porque havia cobras deslizando entre os veículos. Os alagamentos, comuns e problemáticos também na época de Paes, escancararam, no entanto, que o novo prefeito tinha cortado em 60% o orçamento de conservação, o que impacta diretamente, por exemplo, na manutenção de bueiros e galerias pluviais. O caos na cidade revelava, mais uma vez, o desafio da comunicação do prefeito. No dia seguinte, quando ainda havia pessoas indo trabalhar com água pela canela, Crivella disse que “passamos no teste”, provocando um aluvião de depoimentos na mídia e nas redes sociais mostrando o contrário.

Em paralelo, dois dos seus secretários elevavam ainda mais as críticas, ilustrando um problema mencionado tanto por opositores como por aliados do prefeito: enquanto Paes delimitava quem, quando e sobre o que podia se falar, os secretários de Crivella são na linha do 'cada um por si'. Enquanto o responsável pela pasta de Ordem Pública, Coronel Paulo César Amêndola, dizia que não emitiu alerta sobre a gravidade da chuva para evitar o pânico, o secretário de Conservação, o pastor da Assembleia de Deus Rubens Teixeira, se justificava na imprevisibilidade desse volume de chuva e afirmava ter controlado tudo do seu Whatsapp. Não havia necessidade, segundo ele, de aparecer no Centro de Operações do Rio, o QG municipal com tecnologia de ponta onde monitora-se a cidade toda e que na gestão Crivella passou a ter foco na segurança. “Falta foco, parece que há 12 governos [em alusão às 12 secretarias]”, avalia uma fonte próxima à administração.

Enquanto Crivella vai ao Senado para cantar música evangélica em comemoração dos 40 anos da Igreja Universal, um colaborador, que defende a gestão do prefeito, aponta, no entanto, alguns pontos críticos que precisariam ser resolvidos. “A Prefeitura precisa de um plano estratégico para o Governo ter algum norte. Hoje, não parece q há um governo, mas vários... e nenhum deles compromissado com o programa de governo apresentado na campanha”, explica. Para outra fonte da administração municipal, o problema não é tanto a falta de um plano se não que Crivella sumiu durante a transição e quando apareceu percebeu que não havia dinheiro. “O prefeito tem planos, alguns muito ambiciosos, mas demorou a reparar a situação econômica da Prefeitura. Ele foi eleito em outubro e só começou a transição em dezembro. Muitos se sentaram na cadeira no primeiro dia de governo sem saber o que fazer”.

A gestão da relação política com a Câmara, segundo os críticos, é “muito ruim”, e pode comprometer a aprovação dos planos do prefeito e de medidas impopulares para aumentar o caixa. Enquanto Paes tinha maioria, o partido de Crivella elegeu apenas três vereadores e sua base governista é totalmente instável. “Há um excesso de interlocutores. Ninguém sabe quem realmente decide. No final, poucos e experientes vereadores acabam dominando todo o processo e deixando uma conta altíssima para o Prefeito que, mesmo assim, não consegue garantir uma maioria coesa na casa legislativa da cidade”, aponta um colaborador que alerta que “a votação do projeto do IPTU –que pode aumentar em até 60% o imposto na Zona Sul do Rio– deixará tudo isso bastante exposto". “Temos um cenário sem dinheiro para obras e 80% dos vereadores dependem de consertar uma praça ou asfaltar uma rua. Como não há recursos, há uma intensa negociação de cargos para atrair os vereadores à base", lamenta a fonte do Governo. "E isso é muito perigoso porque abre os serviços públicos a interesses políticos”.

Autor(a): María Martín
Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/06/29/politica/1498770048_876121.html
Colaborador(a): Cibely Moura

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA