Logomarca Velhos Amigos
INTERAÇÃO / A PALAVRA É SUA

No seminário ‘Ilegal, e daí’, promovido pelo GLOBO, presidente da concessionária diz que até na indústria foram descobertas ligações irregulares

Mais da metade dos furtos de energia na área de concessão da Light, que atende 31 municípios, entre o Rio, Região Metropolitana e Vale do Paraíba, está concentrada nas classes A, B e C. De acordo com a concessionária que fornece energia para cerca de 10 milhões de consumidores, 52% de toda a perda de energia ficam em áreas de classe média e alta. Os demais 48% estão concentrados em área de risco, locais que a empresa, geralmente, não consegue ter acesso para fiscalização. Os dados foram apresentados nesta quinta-feira no evento ‘Ilegal, e daí?’, uma realização do jornal O GLOBO, em parceria com Extra, Valor e Época, com patrocínio de Light, Enel, Souza Cruz e Sindicom.

O percentual, de acordo com o presidente da Light, Luís Fernando Paroli, chama a atenção porque, no caso do Rio, existia a percepção de que os furtos de energia se concentravam em bairros considerados perigosos, mito que é derrubado pelo estudo da concessionária.

— A questão do furto de energia elétrica no Rio passa por várias questões, desde a internalização do ilegal como natural, o que faz com que aumente os casos de roubo. Além disso, é muito intrigante que, mais da metade dos roubos, estejam em áreas onde os consumidores têm condições de pagar pela energia, mas furtam. Em inspeções, já encontramos mansões com mais de 500 metros quadrados com “gatos”. Isso é inadmissível — destaca.

Ainda de acordo com dados da concessionária, o furto de energia elétrica não é restrito ao consumo residencial. Apesar de esse segmento representar a maior parte do faturamento da empresa, parte do que é perdido em ligações ilegais vem de indústrias, comércio e até grandes redes varejistas do país.

— A questão do furto de energia no Brasil é tão complexa que já encontramos gigantes do varejo com ligações ilegais, o que mostra que o furto é disseminado e amplo, difícil de se combater — aponta Paroli.

Números da concessionária mostram que, anualmente, 22% de toda a energia distribuída na área de concessão são furtados. Com esse volume é possível abastecer todo o estado do Espírito Santo, pelo mesmo período. No caso específico da cidade do Rio, a maior parte dos registros de furto de energia se concentra nas Zonas Oeste e Norte e na Baixada Fluminense.

Em levantamento realizado em setembro, entre os dias 1º e 8 de novembro, a Light atendeu a 12,4 mil chamados de interrupções. Especificamente na Zona Oeste, por exemplo, onde as ligações clandestinas correspondem a 42% do que é distribuído para a região (a cada 100 Kwh distribuídos para a região, 42 Kwh são desviados), foram feitos 3,8 mil atendimentos por causa de interrupções no fornecimento.

A italiana Enel, que no Brasil é dona da antiga Ampla, responsável pela distribuição de energia em 66 cidades do Estado do Rio, é enfática quanto à complexidade da distribuição e manutenção da energia elétrica no Rio. Segundo dados da empresa, o Rio apresenta o maior índice de perda de energia da concessionária em toda a sua área de atuação no mundo, com 20,4% do total. Em relação ao furto de energia, por exemplo, a cidade do Rio está à frente, de países inteiros, como Argentina, que aparece em terceiro lugar, Romênia, Espanha, Peru, Colômbia, Chile e Itália.

— É uma área de concessão tão complexa, que a perda de energia no Rio é superior à de outros países onde atuamos. Isso precisa ser debatido para que se mude a cultura do furto de energia no Brasil, que é disseminada. Todas as concessionárias sofrem com esse problema. Não é um caso isolado — diz o presidente da Enel no Brasil, Carlo Zorzoli.

Segundo dados da concessionária, nos últimos 12 meses, as perdas com furto de energia chegaram a R$ 95 milhões. Se a cifra fosse faturada, como aponta Zorzoli, toda a cadeia produtiva seria afetada de forma positiva, pois o que se perde com furto não é transformado em arrecadação de impostos, como o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), responsável por parte importante da receita dos estados.

A Energisa, que atua em cinco regiões do país, e atende 788 municípios, com cerca de 6,5 milhões de consumidores, diz que o furto de energia é uma atitude que coloca em risco toda a cadeia produtiva do setor elétrico, além de prejudicar o próprio consumidor.

— Se a energia é furtada, a concessionária não arrecada, o Estado não recebe os imposto e, consequentemente, serviços deixam de ser prestados à população, em especial os que se referem á qualidade da prestação de serviço ligado à distribuição de energia — destaca o diretor-presidente da Energisa Gioreli de Sousa Filho.

Autor(a): Bruno Dutra
Fonte: Jornal O Globo
Colaborador(a): Juliana Melo

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA