Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / ACONTECEU

Foto: Divulgação/L'ORÉAL

Uma brasileira ganhou um prêmio internacional que incentiva mulheres cientistas e recebe nesta quinta-feira, dia 22 de março, em Paris, o International Rising Talents, organizado pela L’Oréal.

A professora Rafaela Ferreira, da Universidade Federal de Minas Gerais, pesquisa novas formas de combater doenças como Zika e a doença de Chagas.

No ano passado, a pesquisadora já havia sido uma das sete mulheres laureadas pelo prêmio nacional Para Mulheres na Ciência, organizado pela mesma empresa.

Dessas sete cientistas, Rafaela foi indicada ao International Rising Talents e agora será premiada junto a outras 14 pesquisadoras espalhadas por todo o mundo.

Os prêmios Para Mulheres na Ciência e International Rising Talents fazem parte de um movimento que pretende chamar atenção para a desigualdade de gênero nos meios científicos.

“No mundo todo, apenas 30% dos cientistas são mulheres, ou seja, há uma subrepresentação da mulher nessa área,” observa Rafaela.

Pesquisa

Atualmente, Rafaela lidera um grupo de pesquisa sobre planejamento racional de fármacos na UFMG.

A equipe de pesquisadores procura propor, principalmente, novos tratamentos para doenças negligenciadas, aquelas que atingem principalmente as camadas pobres da população.

Suas pesquisas focam em tratamentos para a doença de Chagas, a febre por vírus zika e a doença do sono.

“Com a ajuda de técnicas computacionais, nós simulamos a interação de milhares de substâncias com as proteínas dos agentes que provocam essas doenças. Após encontrar as mais promissoras, fazemos experimentos para avaliar como elas realmente atuam e se comportam,” explica.

O objetivo das pesquisas é encontrar substâncias que inibem proteínas dos vírus e protozoários que transmitem as doenças.

No caso da doença de Chagas, o principal alvo é a cruzaína, proteína responsável por manter funções vitais do protozoário Trypanosoma cruzi.

Para isso, o grupo de pesquisa de Rafaela testa as substâncias AMB7 e AMB12, que podem levar a criação de tratamentos mais seguros e eficazes — desde a década de 1970, usa-se o benzonidazol para tratar a doença de Chagas, um medicamento que pode provocar efeitos colaterais graves.

Em relação ao vírus zika, a equipe de cientistas busca inibidores para de uma protease, um tipo de enzima capaz de ativar ou desativar certas funções do vírus.

As pesquisas também podem trazer resultados para o tratamento da microcefalia laterais graves.

Cientista desde cedo

Rafaela começou a se interessar por ciência ainda no ensino médio do Colégio Técnico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Durante a adolescência ela também havia participado do Programa de Vocação Científica da Fiocruz, onde começou a desenvolver seus primeiros projetos de pesquisa em saúde.

O caminho era descobrir novas formas de tratar doenças que afetam principalmente as camadas mais pobres da população brasileira.

Após a graduação em farmácia pela UFMG ela fez doutorado na Universidade da Califórnia em São Francisco, nos Estados Unidos.

Rafaela retornou ao Brasil, fez pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP) e se tornou professora da Universidade onde estudou.

A cientista vê a premiação como incentivo.

“Esse tipo de incentivo é muito importante para a divulgação não só do meu trabalho, que ganhou mais visibilidade após o prêmio, mas de toda a área da saúde e da relevância de produzir pesquisas como um todo,” afirma Rafaela.

Fonte: www.sonoticiaboa.com.br/2018/03/21/professora-brasileira-recebe-premio-internacional-para-mulheres-cientistas/

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA