Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / ARTIGOS

A FORÇA DA DEMOCRACIA
publicado em: 11/10/2018 por: Lou Micaldas

Hadda e Bolsonaro não vão perder eleitorado e militância, mesmo que se aproximem do centro e da moderação

Calma, pessoal: nem o Brasil vai virar uma Venezuela, nem voltar à ditadura militar. Enquanto petistas denunciam o militarismo de Bolsonaro, e os bolsonaristas atacam o bolivarianismo de Haddad — disputa dominante nas redes sociais —, os dois candidatos caminham na direção do centro e da moderação.

Nenhum deles, ainda, escreveu carta ao povo brasileiro, mas fizeram clara manifestação na entrevista ao “JN”. Ambos descartaram a proposta de tentar uma nova Constituição — que seria o passo inicial de mudança de regime. Bolsonaro desautorizou seu vice, o general Mourão, que falara na viabilidade de um “autogolpe”. Haddad desclassificou a fala de José Dirceu, para quem o objetivo do PT é tomar o poder, não apenas ganhar a eleição.

Pode-se suspeitar que essas manifestações foram da boca para fora. E, de fato, no campo petista, há muita conversa bolivariana. Por exemplo:

— os ataques à imprensa, que levam às propostas de “controle social da mídia”, uma censura mal disfarçada;

— a defesa de líderes que promoveram o petrolão, um assalto ao Estado para comprar a política, a maior ofensa à democracia praticada desde o fim do regime militar;

— a defesa de ditaduras esquerdistas;

— e, claro, a Globo é a culpada pela disseminação da extrema direita.

No campo bolsonarista, então, encontram-se ideias e condutas autoritárias para qualquer lado que se olhe. Por exemplo:

— o problema da segurança se resolve com a matança do maior número possível de bandidos, para o que é preciso armar os cidadãos, quando se sabe que as melhores polícias do mundo são também as que menos matam;

— minorias de todos os tipos, na política e nos costumes, devem ficar caladas e seguir as regras ditadas pela maioria, uma violação ao mais simples princípio democrático, que preza o respeito e garante a voz das minorias;

— a desumanidade do imperdoável elogio a torturadores;

— e, claro, a Globo é a culpada pela disseminação do esquerdismo.

Há mais barbaridades e mentiras nas redes, mas fiquemos com estas amostras.

A questão é outra. Por que Haddad precisou dizer explicitamente que o PT não quer conquistar o poder? Porque se continuar com esse viés ideológico, não ganha nem a eleição.

E lá se vai ele para o centro, para tentar ganhar a eleição — objetivo, aliás, difícil, dada a enorme diferença de votos do primeiro turno. Reparem: gostando ou não, contrariando ou não os seus radicais sinceros, Haddad nem ganharia a eleição nem conseguiria governar se ficasse só com sua turma.

Resumindo: o PT foi de Lula para garantir a posse de sua base; agora vai de Haddad para buscar alguma coisa no centro e no anti-establishment dominantes. A chance é remota, mas é a única.

Já Bolsonaro está mais confortável. É favorito, sobretudo pela clara ascensão no final do primeiro turno. Ele precisa de poucos votos para confirmar a vitória e deve contar com parte do eleitorado que escolheu candidatos de direita e centro.

Está tão confortável que nem parece preocupado em obter apoios, por exemplo, dos candidatos a governador que foram ao segundo turno. Tem ocorrido um movimento contrário: candidatos estaduais declarando voto em Bolsonaro, sem qualquer negociação prévia, tentando pegar a onda conservadora.

O risco para Bolsonaro está do lado dele mesmo: uma declaração muito errada, algo de extremo radicalismo, antidemocrático, o abandono das propostas liberais em política econômica, ações violentas de seus seguidores.

Assim como Haddad não vai perder seu eleitorado e a militância mais à esquerda, mesmo que se aproxime do centro, também Bolsonaro não vai perder sua base mais radical no caso de um mesmo movimento.

Mas pode perder os líderes e eleitores que têm visão liberal e democrática, não apreciam a extrema direita, acham que Bolsonaro é um candidato fraco, mas menos ruim que a opção petista. Esse pessoal pode ir, por exemplo, para o voto nulo.

Foi a força da democracia, manifestada na votação de domingo, que levou os candidatos a jurar pela Constituição. Seria bom que não ficassem só nas declarações, mas tratassem de segurar seus radicais.

Autor(a): Carlos Alberto Sardenberg
Fonte: oglobo.globo.com/opiniao/a-forca-da-democracia-23146830
Colaborador(a): Jairo Ferreira

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA