Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / ARTIGOS

No artigo "O falso discurso do governo Temer sobre a recuperação da economia brasileira", afirmamos que este discurso representa uma tentativa de divulgação de narrativa para vender para a sociedade que o governo está sendo responsável por uma recuperação econômica que, na verdade, é falsa. O discurso do governo Temer de que está havendo queda da taxa de desemprego é também falsa. A análise de dados da PNAD contínua [Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios] permite constatar que os empregos que estão sendo gerados são precários porque são sem carteira assinada e com rendimentos menores. Afirmamos, ainda, que o pífio crescimento econômico do Brasil no terceiro trimestre de 2017 se deve à supersafra agrícola e ao notável crescimento das exportações graças ao agonegócio, tudo apesar da política econômica recessiva imposta pelo governo Temer. 

Outro argumento apresentado pelo governo de recuperação da economia brasileira está relacionado com a valorização dos índices da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa). José Roberto Castro explica em seu artigo Por que a alta da bolsa de valores bateu recorde disponível no website <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/09/13/Por-que-a-alta-da-bolsa-devalores-bateu-recorde>, que “otimismo e dinheiro sobrando no mundo ajudam a explicar recorde do Ibovespa”. Ele acrescenta que o valor real das empresas, porém, está longe do patamar de 2008 quando eclodiu a crise mundial nos Estados Unidos.  

É oportuno observar que o Ibovespa é um índice que reúne as principais ações da Bolsa de Valores brasileira, um pacote de ações pensado para representar o mercado no Brasil. São 56 empresas, com pesos diferentes de acordo com sua importância. Atualmente, as que têm mais peso no índice são Petrobras, Vale, Ambev e Bradesco.  Os 74 mil pontos de 2017 e os 78 mil pontos atuais valem bem menos que os de 2008. Segundo José Roberto Castro, a inflação acumulada no período foi de 73%. Ou seja, quem comprou em 2008 as ações do Ibovespa perdeu dinheiro. Ou melhor, tem agora um número de reais parecido com o de nove anos atrás, mas compra muito menos com ele. Por exemplo: se o valor em reais que as empresas tinham em maio de 2008 fosse corrigido pela inflação do período e convertido em pontos, o Ibovespa deveria estar em 127 mil pontos e não 78 mil pontos atuais. As principais empresas brasileiras não têm o mesmo valor real de nove anos atrás. Segundo cálculo do jornal Valor Econômico, o valor atual das empresas em moeda americana representa pouco mais da metade do que era nove anos atrás.  

A explicação de José Roberto Castro  para a valorização do Ibovespa reside no fato de estar sobrando dinheiro no exterior. Com os juros muito baixos, às vezes até negativos, nos países desenvolvidos, investir em mercados emergentes como o Brasil se torna mais atrativo. Investidores, com dinheiro sobrando, procuram rendimentos melhores e isso faz aumentar a procura por países mais arriscados, e que podem dar mais retorno, como o Brasil. Quando esses dólares entram no Brasil para investir na bolsa, há duas consequências imediatas. A primeira é a valorização do real, por causa do aumento da oferta de dólares. A segunda é a valorização do Ibovespa, com o aumento da procura pelas principais ações do mercado brasileiro. Pode-se afirmar, portanto, que a valorização da Bolsa no Brasil não é indicadora de recuperação da economia brasileira como argumenta o governo Temer.   

 Afirmamos no artigo O falso discurso do governo Temer sobre a recuperação da economia brasileira, que a economia brasileira só se recuperará com o aumento do consumo das famílias, do investimento, do gasto público e das exportações.  O aumento do consumo das famílias não acontece por causa do alto desemprego (12,6 milhões de desempregados segundo o IBGE), da inexpressiva recuperação do rendimento médio real e do grande comprometimento da renda familiar com o pagamento da dívida das famílias em razão do crescimento dos “spreads” bancários. O investimento privado não está aumentando porque há grande capacidade ociosa e não há perspectiva de lucratividade elevada no Brasil em um ambiente econômico recessivo, com os “spreads” bancários extremamente elevados e com carga tributária escorchante. A despesa do Estado não tem aumentado porque está havendo queda na arrecadação de impostos e o próprio governo Temer estabeleceu o “teto” de gastos públicos com a PEC 241.  

Dificilmente, o governo federal terá condições de elevar o gasto público para reativar a atividade econômica porque a situação fiscal do País deve continuar piorando com a manutenção da política econômica recessiva atual. Com a economia brasileira em recessão e a consequente queda na arrecadação de impostos, a tendência é a de que a dívida bruta do País feche 2018 em 79,8% do PIB, ante os 74,4% até novembro de 2017. O crescimento explosivo da dívida pública inviabiliza a possibilidade de recuperação da economia brasileira.  Portanto, fica demonstrado que é falso o discurso oficial de que esteja havendo recuperação da economia brasileira. O primeiro passo para promover a recuperação da economia brasileira, deveria consistir na realização imediata de auditoria das dívidas externa e interna e na renegociação do pagamento da dívida externa e da dívida interna pública do País visando seu alongamento no tempo para a redução dos encargos e a elevação da disponibilidade de recursos públicos para investimento.  Só resta esperar que o futuro presidente da República adote uma política econômica desenvolvimentista em oposição à retrógrada política recessiva atual.  

*Fernando Alcoforado, 78, membro da Academia Baiana de Educação e da Academia Brasileira Rotária de Letras – Seção da Bahia, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016) e A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017).   

Autor(a): Fernando Alcoforado

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA