Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / ARTIGOS

LULA, VIRAR A PÁGINA
publicado em: 09/04/2018 por: Lou Micaldas

Podemos e devemos mudar o quadro. Como? Votando bem

Depois de várias semanas de tensão, discussões pouco edificantes transmitidas ao vivo e declarações impróprias de alguns dos seus integrantes, o Supremo Tribunal Federal (STF) fez o que se esperava: confirmou que ninguém está acima da lei e que o combate à corrupção não admite acordões. A decisão do plenário não poderia ter sido outra. Caso contrário, a Corte assinaria um atestado de leniência com o crime e estaria na contramão dos valores éticos de uma sociedade cansada e decepcionada. Geraria instabilidade, acirraria o clima de radicalização, abriria de par em par as portas da impunidade para os criminosos do colarinho branco e pavimentaria uma avenida para os aventureiros que transitam nas sombras da desesperança. Além disso, o STF confrontaria o próprio Judiciário.

Lula foi condenado a nove anos e meio, num primeiro julgamento, pelo juiz Sergio Moro. Foi uma sentença de 218 páginas. Foram ouvidas 91 testemunhas, das quais 73 apresentadas pela defesa. Tudo dentro da lei e das garantias devidas ao réu.

A defesa de Lula apelou da sentença para TRF-4, de Porto Alegre. Ali foi julgado em 24 de janeiro deste ano por três desembargadores, condenado por 3 a 0, e sua pena foi aumentada para 12 anos. Recorreu em seguida para a instância superior, o STJ de Brasília, onde seu pedido foi julgado por cinco ministros. Outra derrota, agora por 5 a 0. Voltou, enfim, ao mesmo TFR-4. Perdeu mais uma. Resumo da ópera: três instâncias e nove juízes se manifestaram num mesmo sentido em relação a Lula. Escrevo este artigo antes da prisão do ex-presidente decreta pelo juiz Sergio Moro.

Dizer que seria preciso respeitar a “presunção de inocência” até “prova em contrário”, como frisaram alguns ministros, é fazer piada com a inteligência dos brasileiros. Feita a prova, o réu deixa de ser inocente. Passa a ser culpado. No caso de Lula, a prova foi feita quando a segunda instância decidiu que sua condenação estava fundamentada em fatos.

Venceu o bom senso. Agora, precisamos virar a página e olhar estrategicamente para o futuro. Podemos e devemos mudar o quadro. Como? Votando bem, com voto comprometido. Teremos eleições gerais. Executivo e Legislativo serão renovados. Você, leitor e eleitor, não pode encarar a próxima eleição como ordinária administração. Não é. Pode ser transformadora. O seu candidato, ao Executivo e ao Legislativo, deve estar claramente comprometido com reformas constitucionais que sejam capazes de devolver o Brasil aos brasileiros. Prisão após condenação em segunda instância é medida indispensável na luta contra a impunidade. Seu candidato deve estar comprometido com projeto de reforma constitucional que faça da medida saneadora princípio intocável. Reforma da Previdência. Reforma tributária. Revisão do tamanho do Estado e do seu papel.

Chegou a hora de a sociedade civil mostrar a sua cara e a sua força. É preciso, finalmente, cobrar a reforma política. Todos sabem disso. Há décadas. O atual modelo de governança, a perversa fórmula da coalizão, é a principal causa da corrupção. O Brasil pode sair deste pântano para um patamar civilizado. Mas para que isso aconteça com a urgência que se impõe, é preciso votar bem.

Autor(a): Carlos Alberto Di Franco é jornalista
Fonte: Jornal O Globo
Colaborador(a): Maria Clara Ribeiro dos Santos

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA