Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / ARTIGOS

O educador pernambucano Paulo Freire, cuja obra é estudada no mundo todo
Foto: Arquivo O Globo / 08-8-1979 / Agência O Globo

Presidente diz que vai revogar título de patrono da educação do país, concedido a educador pernambucano em 2012

O educador Paulo Freire voltou a ficar sob a mira de Jair Bolsonaro. Em uma entrevista publicada no canal do Youtube “Esther e os famosos”, na última segunda-feira, o presidente disse que o governo vai mudar o patrono da educação brasileira, título concedido ao professor pernambucano em 2012.

 A declaração vai ao encontro de um projeto de lei já apresentado na Câmara, de autoria da deputada Caroline de Toni (PSL-SC), para revogar a honraria.

— Paulo Freire é notoriamente um educador pautado na filosofia marxista. É uma ideologia, então não podemos pautar a educação brasileira numa ideologia, sob pena de violar a Constituição Federal — afirma a deputada.

A deputada Luiza Erundina (PSOL-SP), autora do projeto de lei que concedeu o título ao educador, disse que o projeto de Caroline “faz parte da guerra ideológica que o governo vem promovendo”.

Segundo ela, o governo deveria estar ocupado em combater o desemprego e alavancar a economia.

— É de uma ignorância que dá dó. Tudo para eles é comunismo. Estão doentes, fixados numa coisa que não existe — disse Erundina, em cuja gestão na Prefeitura de São Paulo, entre 1989 e 1993, o pernambucano foi secretário de Educação. — Perseguir Paulo Freire é algo tão absurdo, tão antipolítica, porque ele não é uma figura brasileira, é uma figura mundial. Ele é celebrado no mundo inteiro.

Tema de curso em Harvard

As ideias do educador estão presentes nas principais universidades do mundo. No curso "Poder e Pedagogia: Indivíduo, Sociedade e Transformação", ministrado pelo professor Houman Harouni na Universidade de Harvard, os trabalhos de Paulo Freire são um dos assuntos centrais de estudo.

As aulas têm como objetivos levar os estudantes a "reexaminar as estruturas hierárquicas que dão forma aos sistemas educacionais" e encontrar soluções para superar as limitações na área.

"O curso aborda uma ampla gama de instituições e práticas educacionais e está aberto a estudantes de todas as origens", diz o programa da disciplina. "O aprendizado deste curso é particularmente adequado para futuros educadores, líderes e pesquisadores em educação".

 Em discurso de cerimônia da pós-graduação em educação de Harvard (HGSE), em maio de 2018, o orador John Silvanus Wilson, que trabalhou no Departamento de Educação dos Estados Unidos e no Massachusetts Institute of Technology (MIT), foi aplaudido quando mencionou Paulo Freire.

— A ideia mais importante a que fui exposto aqui no HGSE em 1984 foi gerada pelo educador filósofo brasileiro Paulo Freire — afirmou, sendo interrompido pelas palmas dos estudantes. — Freire poderia estar olhando para o mundo atual quando ele disse que nós precisamos redefinir as relações entre professor, aluno e sociedade. E quando ele definiu educação num contexto de transformação, ele chamou a isso de “a prática da liberdade”. Freire disse que as escolas ou têm uma cultura de conformidade com o status quo ou têm uma cultura de transformação e liberdade.

Não é difícil encontrar o pensador brasileiro em outras renomadas universidades. Oxford tem um projeto de pesquisa chamado "Conhecimento para a libertação? A visão participativa de Freire, Fals-Borda, e Rahman".

Em Cambridge, o professor Peter Roberts apresentou um seminário intitulado "Sonhos possíveis: Paulo Freire e a educação utópica".

O professor Jason Stanley, em Yale, ministra o curso "Propaganda, Ideologia e Democracia", em que a principal obra de Freire, “Pedagogia do oprimido”, integra a bibliografia. O livro, traduzido para mais de 20 idiomas, é o terceiro mais citado em artigos acadêmicos na área de humanas no mundo, de acordo com levantamento do professor Elliott Green, da London School of Economics.

Na Universidade Stanford, as obras de Freire compõem a bibliografia de vários cursos, como em "Equidade e Escolaridade" e "A centralidade da alfabetização no aprendizado e ensino".

'Um dos principais pensadores da educação'

O brasileiro é descrito como "um dos principais pensadores sobre educação no último século" no site da University College London (UCL). A universidade é a número um na lista da QS World University Ranking 2019, referência na avaliação de instituições de ensino superior pelo mundo, no tema educação.

— Os filhos de Bolsonaro e membros de seu governo têm consistentemente desqualificado o trabalho de Paulo Freire, dizendo que constitui um tipo de "ideologia marxista" que deveria ser banida das escolas brasileiras — diz a professora Malu Gatto, do Institute of the Americas, da UCL. — Isso é tudo que eu tenho a dizer: Paulo Freire é um estudioso mundialmente reconhecido, cujo trabalho continua a ter uma enorme influência no exterior.

Caroline de Toni diz que o fato de um “ideólogo marxista” ser tido como referência nas universidades internacionais “só mostra o nível que anda o meio universitário brasileiro e internacional”.

— Isso aí é uma opção de cada universidade. O que eu posso fazer? Eu não considero que o consenso universitário seja respeitável cientificamente, porque virou muito dessa questão de politização, mais do que qualquer outra coisa — diz ela. — Mas Paulo Freire ser citado e “Aristóteles em nova perspectiva”, (obra) do professor Olavo de Carvalho, não ser nem conhecido na universidade, é isso que me causa mais espanto.

Autor(a): Guilherme Caetano
Fonte: oglobo.globo.com/sociedade/educacao/voce-nao-gosta-de-mim-mas-harvard-gosta-alvo-de-bolsonaro-paulo-freire-referencia-em-universidades-do-exterior-23634269
Colaborador(a): José Carlos

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA