Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / CRÔNICAS DA LOU

MENSAGEM DE FINAL DE ANO - 2005
publicado em: 24/09/2015 por: Netty Macedo

FELIZ NATAL

Neste mundo farto de tecnologia correm centenas de milhares de e-mails e de cartões desejando a todos um Feliz Natal e um Feliz Ano Novo.

São raros aqueles antigos envelopes enviados pelos correios. Mas, de uma forma ou de outra, é muito bom receber de um parente, de um amigo, palavras tão positivas, profundas e que nos transmitem tantas esperanças.

Será que a maioria das pessoas está realmente feliz com a chegada do Natal? Está com a esperança renovada no ano dito novo que chega a cada dia 31 de dezembro? Não é o que eu testemunho.

O que escuto e vejo são pessoas angustiadas, deprimidas, com estafa pela chegada do fim de ano e suas respectivas festas.

As festas de Natal, do meu tempo de criança, eram mais simples.

Cada um de nós, e éramos cinco, recebia um presente. Eram lembrancinhas que nos enchiam de alegria e de gratidão. E já não acreditávamos em papai noel

Hoje, a festa, que tinha o objetivo maior de reunir os membros da família, que andam tão distantes, por causa da correria do dia a dia, virou o símbolo de consumismo coletivo e de desavenças.

Um dos motivos de angústia e de desgaste é a disputa de forças. Não existe mais aquele acordo fraternal, em que se combinava fazer no dia 24 de dezembro, um jantar para que todos os membros da família pudessem se encontrar num só local, que se apelidava de sede, por ser encabeçada pelos mais velhos: avós, pais, tios, filhos, sobrinhos e netos tinham,naquela data, a grande chance de um reencontro.

Os novos núcleos familiares festejavam o nascimento de Jesus e a chegada do Papai Noel em almoços no dia 25.

As crianças acordavam cheias de energia, em suas casas, na expectativa de abrirem seus presentes pra curti-los no mesmo hora.

Que o seu dia de Natal seja com mais amor e menos demonstração de riqueza, de poder, de culpa e de estresse.

A festa acaba e o que sobra é um vazio naqueles que não conseguiram sentir o verdadeiro espírito de confraternização.

Que o bom senso e a paz reinem em todos os corações, para que se possa dizer sem ser um chavão: FELIZ NATAL!

E que você possa dizer: eu tive um FELIZ NATAL.

Um beijo, 
Lou Micaldas


 

RÉVEILLON É UMA NOITE SÓ

Todo fim de ano é a mesma coisa. 
No dia 31, a maioria das pessoas é tomada por uma emoção contagiante, que provoca muito mais intranquilidade, angústia e depressão do que alegria de viver uma grande festa.

Espera-se que, ao transcorrer a noite do último dia do ano, o mundo renasça, trazendo melhores dias, cheios de paz. Espera-se encontrar um novo amor, arranjar aquele emprego, conseguir pagar todas as dívidas. Planejamentos radicais nos sugerem passar o passado a limpo. Expectativas muito altas carregam em seus pacotes o peso da ansiedade.

Por que se deixar levar por um simples decreto de calendário e acreditar que, a partir de 1º de janeiro, as coisas deverão mudar?

Por que escolher o último dia do ano, como se fosse o último de nossa vida, pra fazer um verdadeiro balanço dos bons e maus momentos vividos?

Por que nos dias das grandes festas as tristezas são lembradas com mais intensidade? Por que não festejar as vitórias mesmo que tenham sido poucas?

Meu Deus! Quanta peninha tem de si mesmas as pessoas com tendência a se sentirem vítimas do destino!
O réveillon é um dia só. Ou melhor, é uma noite só! 
E, no entanto, é capaz de causar tanto estrago na mente sofredora daqueles que têm o costume de rever o lado ruim do passado.
Você dorme num dia e, se estiver vivo, acordará no outro como acontece todos os dias e verá que tudo continuará igual. É a rotina.

Se você tiver equilíbrio emocional, repare que aquela imagem que está lá fora, na sua frente, continua lá. Aquele sol brilhante se abriu, como sempre se abre nos dias ensolarados; a chuva continua a cair, se assim tiver de ser, nos dias chuvosos de verão.
O que mudou? Você mudou?
Em qualquer dia do ano surge "um novo amanhecer" e com ele as chances de novas conquistas. 
Precisamos praticar a mudança de hábitos. Todas as manhãs, ao abrirmos nossos olhos, devemos dar bom dia ao dia que nos é presenteado, pois ele poderá ser o dia da mudança.
Se não buscarmos as mudanças necessárias, tudo continuará como sempre. E não vai ser no dia 31 de dezembro que a transformação se fará por força do calendário.
Já passei muitos réveillons em festas, observando pessoas felizes, de "caras limpas" e de tantas outras de olhares tristes, sorrisos de retrato e com copo na mão.
Em muitas noites do dia 31 já dormi abraçada ao meu amor.
Em outras, "festejei" as noites preferindo abraçar o travesseiro.

E foi num dia qualquer do mês de maio, que escolhi mudar de vida! E foi aí que um "Ano Novo" chegou pra mim! Aconteceu antes... ou será que foi depois?

Chega de fazer parte dessa imensa legião, que obedece às leis dos homens e segue à risca os dogmas de uma sociedade que pensa em bloco.
O calendário é feito de folhas de papel.
O bom disso é que todos os dias podemos virar a página.

Correção: Anna Eliza Fürich

Autor(a): Lou Micaldas 

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA