Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / CURIOSIDADES

CURIOSIDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA
publicado em: 01/08/2018 por: Lou Micaldas

CICLO VICIOSO ou CÍRCULO VICIOSO?

“Ciclo” e “círculo” têm, etimologicamente, o mesmo sentido.

A diferença é que o primeiro termo é de origem grega, e o segundo, latina.

Pode-se, portanto, inferir que tanto faz dizer “ciclo/ círculo vicioso” e “ciclo/ círculo virtuoso”, certo?

Não, não é bem assim.

Ocorre que a expressão legitimada por dicionários e gramáticas é tão somente “círculo vicioso”.

Não há nessas obras o registro de “ciclo vicioso”.

Logo, nos textos da língua culta, a expressão a ser usada é “círculo vicioso”, cujo correspondente positivo é “círculo virtuoso”.

http://www.portuguesnarede.com/2010/09/ciclo-vicioso-ou-circulo-vicioso.html

DEVEMOS ESCREVER ‘1,6 MILHÃO’ OU ‘1,6 MILHÕES’?

“Por favor, devo escrever ‘1,6 vezes mais’ ou ‘1,6 vez mais’? Obrigada.” (Moema Gonzaga)

A dúvida de Moema é clássica, embora seja mais comum vê-la surgir diante de números grandes, a partir do milhão: escrevemos “1,6 milhão” ou “1,6 milhões”? Costuma ser essa a casca de banana em que muita gente escorrega, inclusive na imprensa. No fundo é a mesma dúvida, claro.

A resposta é simples: fica sempre no singular aquilo que vem após um número decimal iniciado por 1. Isso vale para substantivos, como na frase trazida por Moema e ainda numa formulação como “1,3 quilômetro”. Vale também para numerais, como no caso de “1,6 milhão”.

A chave é o algarismo que está antes da vírgula: só a partir de 2 é que ele leva a concordância para o plural: “2,5 milhões”, “5,7 quilos” etc.

A dúvida não é descabida, uma vez que “1,6 milhão” contém, além do primeiro e óbvio milhão, uma fração (6/10) do segundo… milhão, pois é.

Ocorre que um número como esse, quando o escrevemos por extenso, torna-se “um milhão e seiscentos mil”, certo? Eis o milhão singular.

Autor: Sérgio Rodrigues
Fonte: veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/devemos-escrever-1-6-milhao-ou-1-6-milhoes/

PRÓCLISE - MESÓCLISE - ÊNCLISE

No momento da escrita é natural que surjam alguns questionamentos quanto ao emprego correto de certas expressões, entre elas o emprego dos pronomes oblíquos átonos: o, a, me, te, se, lhe.

Várias vezes nos deparamos com as modalidades de escrita:
“Vou lhe dizer que estou muito feliz/ “Vou dizer-lhe que estou muito feliz.

Mas qual delas é a correta?

Em razão dessas e outras ocorrências é que a partir de agora conheceremos um pouco mais sobre essas particularidades que fazem parte da linguagem formal, e que, via de regra, precisam ser apreendidas por todos nós, principalmente quando se trata da escrita.

A colocação correta desses pronomes em relação ao verbo faz parte da tríade denominada próclise (o pronome vem antes do verbo), mesóclise (vem no meio) e ênclise (vem depois do verbo). A princípio parece ser uma nomenclatura complicada, não é mesmo? Mas depois que as conhecermos, tudo se esclarecerá. Então, vamos lá!

Próclise

A próclise ocorre mediante os seguintes casos: 

-  Com os advérbios de maneira geral:

Aqui se cultiva a paz e a harmonia.

Talvez lhe traga a encomenda que pediu.

Não se preocupe, tudo vai dar certo. 

-  Com os pronomes substantivos:

Todos te ajudarão nesta importante tarefa.

Aquilo me deixou estarrecida. 

-  Com os pronomes relativos:

Os policiais estão à procura do rapaz que se evadiu do local.

O pátio é o lugar onde me sinto à vontade. 

-  Com as conjunções subordinativas:

Farei isso se me for útil.

É necessário que o leve à festa. 

-  Com a preposição seguida de gerúndio:

Em se tratando de saúde, toda cautela é pouco. 

-  Em frases exclamativas e interrogativas:

Quanto me custou ter que partir agora!

Quanto lhe devo por este pedido? 

-  Em frases optativas (que expressam desejos, previsões):

Que o futuro lhe traga sucesso.

Que Deus o abençoe. 

Mesóclise

A mesóclise, embora não seja muito usual, somente ocorre com os verbos conjugados no futuro do presente e do pretérito.

Comemorar-se-ia o aniversário se todos estivessem presentes.

Planejar-se-ão todos os gastos referentes a este ano. 

Ênclise

E, por último, a ênclise, que tem incidência nos seguintes casos: 

-  Em frase iniciada por verbo, desde que não esteja no futuro:

Vou dizer-lhe que estou muito feliz.

Pretendeu-se desvendar todo aquele mistério. 

-  Nas orações reduzidas de infinitivo:

Convém contar-lhe tudo sobre o acontecido. 

-  Nas orações reduzidas de gerúndio:

O diretor apareceu avisando-lhe sobre o início das avaliações. 

- Nas frases imperativas afirmativas:

Senhor, atenda-me, por favor!

Fonte: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/gramatica/proclise-mesoclise-enclise.htm

Fonte: Pesquisa em diversos Sites

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA