Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / DATAS ESPECIAIS

DIA MUNDIAL DOS ANIMAIS
publicado em: 23/09/2016 por: Lou Micaldas

Quatro de outubro é o Dia dos Animais, a mesma data em que se festeja o Dia de São Francisco de Assis. E não é coincidência, pois este santo é o protetor dos animais. Ele sempre se referia aos bichos como irmãos: irmão fera, irmã leoa. São Francisco de Assis também amava as plantas e toda a natureza: irmão sol, irmã lua... São expressões comuns na fala do santo, um dos mais populares até os nossos dias.

Nascido na cidade de Assis, em 1182, Francisco (quando ainda não era santo) tentou ser comerciante, mas não obteve sucesso. Nas cruzadas, lutou pela fé, mas com objetivos individuais de se destacar e alcançar glórias e vitórias. Até que um dia, segundo contam livros com a história de sua vida, Francisco recebeu um chamado de Deus, largou tudo e passou a viver como errante, sem destino e maltrapilho. Desde então, adotou um estilo de vida baseado na pobreza, na simplicidade de vida e no amor total a todas as criaturas.

 Poesia de Magdalena Léa em homenagem aos animais.

 "MIMOSA"

 Um jornal noticiou:

"Perdeu-se uma cadelinha.

É branca, toda branquinha,

Com uma fita cor-de-rosa.

É bem mansinha e atende

Pelo nome de "Mimosa".

"Gratifica-se" - dizia -

"Com generosa quantia

A quem entregar"... e dava

O endereço afinal.

 

O homem larga o jornal

E se põe a comentar:

- "Não há dúvida, é você,

Pois isso logo se vê:

Branquinha, de fita rosa ...

Então, seu nome é Mimosa?

Assenta bem pra você!"

E afagando a cachorrinha,

que no seu colo se aninha:

 

 - "Ora essa, é muito boa!

Deixaram você à toa

E depois vêm com a cantiga?

Mas isso não, minha amiga,

Não vou entregar é nada,

O castigo é merecido.

Se fosse bem vigiada,

Você não tinha fugido.

 

E quem foi que a socorreu

Quando andava aí perdida?

Portanto você nasceu

Foi nesse dia, querida!

Triste, suja, enlameada,

Faminta, correndo à toa,

Podendo ser esmagada

Aos pés de qualquer pessoa...

E eu salvei-a do perigo!

Não lhe dei comida, abrigo

E tudo, de coração?

 

Pois dizem que é generosa

A tal gratificação!

Mas isso a mim não me tenta,

Jogo o dinheiro na venta

De quem me tirar você,

Pois o seu dono sou eu.

O antigo dono seu...

Bem, há de se consolar!

Pegue a gratificação

E corra, e compre outro cão,

Que cães não hão de faltar,

Com você eu é que fico!

Capaz de ele ser bem rico,

E ter de tudo na vida,

Uma família querida.

Mas eu sozinho, solteiro...

E do "metal" nem o cheiro!

Escuta aqui, ó tetéia,

Posso ser um vagabundo,

Mas não há ouro no mundo

Que mude aqui minha idéia.

Mas toda vez lá saía

A notícia no jornal:

O outro não desistia

De encontrar o animal.

E cada dia aumentava

O prêmio pela Mimosa.

Cem mil reais andava,

Oferta bem generosa!

 

O homenzinho então lia,

A cachorrinha afagando

E bem alto, comentando:

- "És uma jóia!" - E ria.

"Que prêmio por seu sumiço!

Deixe porém que eu lhe diga:

Você, você, minha amiga,

Vale bem mais que isso!"

Como entendesse, Mimosa

Abana a cauda vaidosa.

 

Os dias se sucediam,

E sempre o preço subiam

Pela cachorra perdida.

E o homem punha-se a rir:

- "A coisa está divertida!"

 

Fazia já quinze dias

Que a cadelinha fugida

Vivia uma outra vida.

Não faltando à condição

De seu sexo volúvel,

Espera ali, no portão,

Novo dono e pressurosa

Salta lambendo-lhe a mão.

E ele ri satisfeito

Aconchegando-a ao peito

Com carinho e com ternura,

Começa então a leitura.

 

Mas súbito empalidece

Hoje ele não escarnece

Treme na mão o jornal...

Dessa vez o homem não riu

Pegou Mimosa e saiu

Foi entregá-la afinal.

 

É que não fala em dinheiro

A notícia nesse dia,

Apenas isto dizia:

 

"Pede-se à alma bondosa,

Que encontrou a Mimosa,

Que a entregue por piedade.

Sua dona é pequenina,

Tem seis anos a menina,

E adoeceu de saudade."

Autor(a): Magdalena Léa
Fonte: Livro: "A Criança Recita"

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA