Logomarca Velhos Amigos
INTERAÇÃO / DE AMIGOS PARA

TESTAMENTO
publicado em: 30/11/2017 por: Lou Micaldas

Vou fazer um testamento,
doar com desprendimento,
os bens que a vida me deu...
pode parecer loucura,
para alguns até bravura,
desfazer-me do que é meu.

O meu céu de luz e sol,
e as cores do arrebol,
vou deixar aos passarinhos...
dôo os campos e os morros,
e o meu respeito aos cachorros,
que são os meus irmãozinhos.

Com os peixes ficam as águas,
para humanidade, as mágoas,
pro céu vai a eternidade...
o vento leva-me os sonhos,
carrega os dias risonhos,
e guarda a minha verdade.

A minha saudade enfim,
que sempre zombou de mim,
vou deixá-la pras estrelas...
durante uma noite clara,
vão brilhar com uma luz rara,
então poderei revê-las.

Vou transferir a poesia
às brancas nuvens do dia,
ao límpido céu de abril...
do mar, vou doar as ondas,
também as praias redondas,
tantas e iguais, ninguém viu.

Do jardim concedo as flores,
e os pássaros cantores,
às mãos da mãe natureza...
as manhãs ensolaradas,
o entardecer, madrugadas,
não vou doar... com certeza.

Ao mundo fica minha sombra,
que o sol desenhou na alfombra,
num passo de pouca luz...
Fiz tantas coisas miúdas,
que me esqueci das graúdas,
que aos grandes feitos conduz.

Deixo o meu abacateiro,
ao sabiá seresteiro,
que me alegra o quintal...
o seu cantar mavioso,
de menestrel talentoso,
vou levar no meu bornal.

O meu canteiro de flores,
os pés de rosas, os odores,
vou deixar a céu aberto...
que fiquem ao sabor do vento,
tomando sol ao relento,
com os passarinhos por perto.

Deixarei as alegrias,
das manhãs ternas e frias,
com a luz do sol pra enfeitá-las...
as noites enluaradas,
o silêncio, as madrugadas,
oh, que vontade levá-las!

Deixo a amizade invulgar,
que é rara de se encontrar,
aos meus amigos diletos...
são tantos e tão gentis,
que vou chamar os colibris,
pra me ajudar no projeto.

A minha fase de outono,
essa vai ficar sem dono,
pra ninguém se entristecer...
são dias sós, de saudades,
contestações e verdades,
não vale a pena sofrer...

E quando chegar a hora,
vou partir levando embora,
mais coisas junto comigo:
lembranças da minha amada,
e as brincadeiras levadas,
dos meus pequenos amigos.

Autor(a): J.R.Cônsoli - Porto Alegre - Brasil
Fonte: www.carmovasconcelos-fenix.org/Escritores/Joao-Roberto-Consoli/Joao_Roberto_Consoli-1.htm
Colaborador(a): Yna Beta

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA