Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / DICAS DE BELEZA

PELE DO IDOSO
publicado em: 24/10/2016 por: Lou Micaldas

A pele é um dos órgãos que mais se modifica com o passar dos anos. O envelhecimento é processo natural que ocorre com o tempo que leva a uma perda de adaptação gradual do indivíduo ao ambiente.
 
Na pele isso se traduz por perda da hidratação, da oleosidade e da elasticidade da pele e aumento, portanto, de sua fragilidade, tanto física quando de defesa imunológica.
 
O envelhecimento da pele é um processo dinâmico e progressivo que começa a acontecer assim que atingimos a maturidade. Uma série de reações e modificações na estrutura e no funcionamento da nossa pele começa a acontecer e vamos nos tornando cada vez mais vulneráveis e suscetíveis a diversas doenças de pele. Existem basicamente dois tipos de envelhecimento: o extrínseco e o intrínseco. O primeiro é decorrente de agentes externos, como exposição ao sol e outros agentes como cigarro, por exemplo. Pelo fato do sol ser o grande vilão desta história, também é conhecido como fotoenvelhecimento ou fotodano; isso independe de idade e pode ser visto em indivíduos relativamente jovens. Já o envelhecimento intrínseco decorre da idade e é este que veremos com mais detalhes no texto de hoje.
 
A pele do idoso apresenta uma menor atividade das glândulas produtoras de sebo e de suor, por isso é uma pele mais ressecada e desidratada. Além disso, a menor atividade de células produtoras de colágeno e elastina, as fibras que dão firmeza e sustentação à pele, deixam a pele mais fina, mais flácida e com sulcos, e linhas de expressão, mais marcados, as rugas. Uma pele muito fina e ressecada costuma causar coceira. Não é infrequente que os idosos sofram com esse tipo de problema. Outra coisa que pode piorar o quadro é o uso de medicações que reduzem o colesterol. O colesterol também está presente na pele e é um dos componentes que seguram a água na pele, impedindo que fique tão ressecada. Quando a medicação atua, ela reduz o colesterol no sangue, mas também na pele. Isso pode deixar o quadro de pele seca ainda mais evidente!
 
A diminuição da atividade imunológica, comum na pele do idoso, torna a pele mais suscetível a infecções como micoses e viroses, tipo herpes simples e herpes zoster. O herpes é, em geral, uma lesão que surge de repente e é muito dolorida e pode apresentar bolhas ou manchas vermelhas. Outro problema que pode surgir na pele, decorrente do sol tomado a vida toda e da diminuição da imunidade, é o câncer de pele. Portanto qualquer lesão persistente na pele, que não esteja cicatrizando, deve ser examinada por um especialista para descartar ou confirmar esses diagnósticos.
 
Entre os cuidados diários da pele envelhecida, recomendamos: banhos mornos, com sabonetes delicados que não façam tanta espuma (syndets ou loções de limpeza) e hidratação com cremes emolientes. Esses cremes devem ser passados com a pele ainda úmida, logo após o banho. Dependendo da característica de cada um, podemos utilizar hidratantes a base de glicerina, ureia ou mesmo alguns mais sofisticados, que contêm as gorduras normalmente encontradas na pele humana. Isso ajuda a manter a pele hidratada e evita a coceira. Também a torna mais resistente a infecções oportunistas, por diminuir o trauma e, portanto, reduzir microlesões que facilitariam a penetração de agentes infecciosos.
 
É importante que a pele do idoso seja examinada ativamente uma vez por ano em busca de lesões malignas e pré malignas, para que possamos fazer um tratamento precoce, evitando assim cirurgias maiores e mais traumáticas.

Autor(a): Dra. Tatiana Villas Boas Gabbi - Médica Dermatologista - CRM-SP 104415 | RQE 31137
Fonte: www.dermatologiaesaude.com.br

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA