Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / DICAS DE SAÚDE

VOCÊ CONHECE A SÍNDROME DAS PERNAS INQUIETAS?
publicado em: 03/10/2019 por: Lou Micaldas

Problema que afeta 10% da população mundial inclui dificuldade para dormir, aflição, formigamento nos membros e pode afetar a produtividade no trabalho

Ainda pouco conhecida, a síndrome das pernas inquietas traz sintomas que afetam a qualidade do sono e a rotina no dia a dia.

 Segundo especialistas, o problema afeta até 10% da população e pode ocorrer em qualquer fase da vida. Entre os sinais de que é hora de procurar o médico estão:

Cansaço
Aflição
Agonia
Dor
Formigamento nas pernas e braços 

“Nessa condição, a pessoa tem uma vontade incontrolável de mexer as pernas e acaba movendo involuntariamente. Normalmente, esse movimento ocorre principalmente quando a pessoa está dormindo, atrapalhando a qualidade do sono, fazendo com que o paciente fique cansado durante o dia, sem rendimento e pode afetar até a produtividade no trabalho”, afirma a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Para identificar o problema, a médica explica que a síndrome obedece três princípios básicos: “Na síndrome, as pernas estão melhores durante a luz do dia e pioram durante a noite. Além disso, elas pioram muito mais durante o repouso; quando o paciente está em movimento, dificilmente há crises. E necessariamente há uma gastura, agonia, uma vontade incontrolável de mexer as pernas. E essa gastura e aflição tem que melhorar quando o paciente consegue efetivamente mexer as pernas de forma mais vigorosa”, diz.

Causas 
Em 70% dos casos, a causa é genética. Neste caso,  a tendência é de que os sintomas sejam mais graves, incomodem mais e apresentem difícil controle. “Este distúrbio é mais comum em indivíduos mais velhos, mas pode ocorrer em todas as idades e em homens e mulheres.”

Nos outros 30% dos casos, ainda não há uma explicação muito clara, mas a médica diz que algumas situações de vida podem agravar ou desencadear a crise. “Tem relação com doença de Parkinson, deficiência do ferro na alimentação (anemia, distúrbios do ferro ou que precisam de reposição), doenças reumatológicas, neuropatias, distúrbios musculares, problemas renais, deficiência de vitaminas e minerais, varizes e alguns problemas circulatórios”, diz a médica. 

Há, ainda, outros fatores que podem agravar as crises. “O início ou a suspensão de certos medicamentos, consumo de cafeína, fumo, fadiga, temperaturas altas, ou períodos longos de exposição ao frio”, acrescenta Lamaita.

Diagnóstico
A angiologista informa que, na maioria dos casos, a queixa é tão característica que a história clínica já é suficiente para o diagnóstico. No entanto, não é incomum que esses pacientes sejam andarilhos de consultas médicas, procurando cirurgiões vasculares, ortopedistas e reumatologistas. “Geralmente, um neurologista é quem faz o diagnóstico e vai precisar de um quadro multidisciplinar com cirurgião vascular, ortopedista e outras especialidades para tratar as outras patologias associadas e conseguir ter um resultado apropriado para o paciente”, diz.

Ela afirma ainda que o diagnóstico adequado e o tratamento destas condições podem aliviar os sintomas da síndrome. “Mas, ainda assim, há pacientes que persistem com o distúrbio de movimento mesmo após o tratamento das condições relacionadas”, explica.

Para minimizar o desconforto do paciente, Aline ressalta que algumas atitudes como:

Banho quente, massagens nas pernas, aplicação de calor
Compressas mornas, analgésicos, exercícios físicos regulares
Eliminação da cafeína são as medidas mais usadas para aliviar os sintomas.

“Mas quando essas medidas não são suficientes, a SPI pode ser tratada com medicamentos que aumentam a dopamina no cérebro, drogas que mexem nos canais de cálcio, opiódes (que podem causar vício se usados em grandes quantidades) e benzodiazepinas (categoria que engloba alguns relaxantes musculares e remédios para dormir). “Ao longo dos anos, a SPI pode surgir e desaparecer sem uma causa óbvia”, finaliza a médica.

Fonte: Estado de Minas

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA