Logomarca Velhos Amigos
INTERAÇÃO / E AÍ, BICHO?

Antes acostumado a correr, o gato Rubinho agora caminha ressabiado pela galeria Cidade Copacabana, na Rua Siqueira Campos. Os movimentos lentos e a orelha ereta indicam que o bichano ainda não se sente tão à vontade com antes para circular pelos corredores. Pudera. Há três meses, ele estava proibido de pisar na área comum do centro comercial, por decisão do conselho de administração local. A questão foi parar na Justiça e, na última quinta-feira, saiu uma decisão favorável ao animal, como noticiou Ancelmo Gois. A juíza Marcia Correia Hollanda, da 47ª Vara Cível do Rio, concedeu tutela de urgência para permitir que Rubinho estique as patas onde bem entender enquanto o caso não recebe uma sentença.

O comerciante Pedro Duarte Correia, de 84 anos, respirou aliviado com a decisão. Dono de uma loja que funciona há quatro décadas na galeria, o empresário adotou o gato em 2010. Desde então, o animal caiu nas graças dos clientes e se tornou uma espécie de mascote. Mas o humor de Rubinho mudou nos últimos meses. Proibido de andar livremente, ele vinha sendo mantido dentro de uma caixa, no interior da loja. Segundo o lojista, o animal entrou em depressão.

— Ele ficou doente. Chegou ao ponto de não querer mais comer. Só agora está voltando ao normal. Ainda fica retraído quando chamam ele do lado de fora da loja, mas aos poucos vai voltar a ser como era antes — conta Pedro.

Com a ajuda de um advogado voluntário, Pedro entrou com uma ação na Justiça para reverter a decisão do conselho. Entre os documentos apresentados, anexou laudo veterinário indicando que o cativeiro estava prejudicando a saúde e vitalidade do animal, que estaria "sob efeito de estresse e com risco de depressão". O argumento foi recebido pela magistrada, que acrescentou: "pela idade de ´Rubinho´ - prováveis 10 anos - o animal não consegue mais se adaptar a tal medida".

Cinco mil assinaturas

A confusão começou em meados junho, quando o lojista recebeu uma notificação do conselho proibindo a circulação do bichano nas áreas comuns. De acordo com o documento, o regimento interno permite que animais domésticos circulem, desde que estejam sempre acompanhados dos donos. O lojista conta que chegou a receber uma multa, no valor de um salário mínimo. Ele recorreu da cobrança, mas obedeceu a ordem de manter o felino dentro dos limites da loja.

A proibição gerou revolta por parte dos clientes, que criaram um abaixo-assinado virtual pela liberdade de Rubinho. Cerca de cinco mil pessoas assinaram o documento. Uma delas foi Zulmira Bernardo, de 65 anos. Após saber da decisão da Justiça, a aposentada voltou à galeria para afagar Rubinho.

— Soube que ele tinha sido liberado e vim ver se era verdade. Todos gostam do Rubinho. É inofensivo, não faz mal a ninguém. Foi uma maldade o que fizeram com ele — desabafa ela. Da mesma opinião partilha Eliana Belmonte, de 54 anos. Na opinião dela, a punição a Rubinho teve como pano de fundo outros interesses.

— Acho que tudo não passou de uma represália a seu Pedro, que foi síndico por muitos anos, por discordar das ideias da atual administração. E quem pagou foi o Rubinho — lamenta.

Na decisão da tutela antecipada, a juíza afirma que "não consta na Convenção do Condomínio qualquer vedação à circulação de animais domésticos o que, evidencia, a princípio, a abusividade da imposição da multa referida" Procurado, o conselho de administração da galeria não quis se pronunciar.

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA