Logomarca Velhos Amigos
LIVROS / FEIA

O romance FEIA é uma comovente história de amor de duas irmãs pelo mesmo homem. Autora: Magdalena Léa.

CAPÍTULO XII

Não causava danos senão a mim mesma, que eles de nada sabiam, nem suspeitavam, ou porque eu era ótima atriz, ou porque, ai de mim, ninguém se detinha na minha pessoa.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO XI

Quantas vezes não fiquei pensando em casar-me e ter um filho meu mesmo! A minha casa, o meu marido, o meu filho... mas não sentia nenhum desejo de que esse marido fosse Luís.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO X

Rui brincava com a mulher, fazendo-lhe cócegas, a que ela fugia, torcendo-se toda e dando gritinhos e risadas. Era uma cenazinha galante, que me deixava as faces em fogo.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO IX

"Depus na mesa a bandeja, enfiei risonha a cabeça pela porta entreaberta e vi ... duas bocas que se uniam na sombra."

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO VIII

- Que é isso, menina, olhando para ontem? Não, não era para ontem, era para dentro de mim: este mundo infinito que desconhecemos. As surpresas que causamos aos outros não são maiores que as que causamos a nós mesmos.

CAPÍTULO VII

No domingo, fiquei em casa lendo o livro que Rui me dera. Lembrava-me dele, de seu ar de carnaval que eu ainda não conhecia, e pensava em como era sedutor assim, de camisa aberta, o peito moreno, os dentes a brilhar num sorriso gostoso, uma luz irônica nos olhos cinzentos.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO VI

Lúcia continuava no seu joguinho de se deixar admirar e flertar por todos, sem descer, contudo, do pedestal. E não eram poucos os que formavam a sua corte. Só dois pareciam indiferentes à sua atração: Rui e Luís.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO V

Disse-me que se chamava Rui. Bem mais alto do que eu, de largos ombros atléticos, seu corpo me dominava, fazendo-me sentir pequenina em seus braços. Dançava mal, olhando os pés fora da cadência, meio constrangido. Perguntei sem cerimônia:...

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO IV

As minhas horas alegres eram pela manhã. Sentia a vida quando ao abrir a janela do meu quarto deixava entrar o sol e o chilrear dos passarinhos pousados no abieiro, cujos galhos se debruçavam no peitoril da janela.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO III

...desde que li o primeiro romance de amor, Diva, de José de Alencar. Andava aí pelos quinze anos, e foi ao lê-lo que, pela primeira vez, me senti mulher. As doces palavras de amor faziam percorrer-me o corpo arrepios de prazer...

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO II

E guardo ainda, nos ouvidos, o ranger do grande portão de ferro preto. Levava na mão um diploma e alguns prêmios.

Autor: Magdalena Léa

CAPÍTULO I

Um grande anjo de bronze, asas abertas sobre a sepultura dela, e, no mármore rosado, um nome apenas: Lúcia.

Autor: Magdalena Léa

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA