Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / GENTE EM FOCO

CLEONICE BERARDINELLI
publicado em: 11/01/2016 por: Netty Macedo

Vencedora do “Faz Diferença”, do jornal "O Globo", na categoria “Prosa”

Uma das maiores especialistas do mundo na obra de Fernando Pessoa, a professora de 98 anos participou de documentário sobre o poeta e prepara novos livros

O encontro da então professora do Ginásio Melo e Souza, Cleonice Berardinelli, com a poesia de Fernando Pessoa, no início dos anos de 1940, ocorreu por intermédio de outro mestre lusitano, Gil Vicente. Hoje uma das maiores especialistas do mundo na obra do poeta português, Cleonice havia sido convidada a participar de uma montagem da peça “Auto da alma”, de Vicente.

O idealizador do espetáculo era Thiers Martins Moreira, catedrático de literatura portuguesa na Universidade do Brasil (atual UFRJ), e os dois se aproximaram. Moreira a convidou para ser sua assistente e a instigou a se aprofundar na obra de Pessoa. Nascia ali uma paixão que dura até hoje.

- Costumo dizer que Gil Vicente é o meu padrinho e Fernando Pessoa, a minha grande paixão. Inocularam o veneno da sua poesia nas minhas veias e ele nunca deixou de circular. Na época eu não conhecia bem o poeta, tinha só uma informação – conta Dona Cleo, como é chamada.

Aos 98 anos, a professora emérita da UFRJ e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) desde 2009 esbanja fôlego e disposição para o trabalho. Em 2014, foi a protagonista, ao lado da cantora Maria Bethânia, do documentário “(O vento lá fora)”, sobre Pessoa, e continuou a reeditar a sua obra. Em julho, organizou uma nova edição de “Mensagem” (Edições de Janeiro), única obra lançada em vida por Pessoa, que traz correções feitas pelo próprio, além de ensaios da professora.

Para março, ela prepara uma antologia da obra de Mário Sá-Carneiro. Dona Cléo já organizou uma com os poemas do autor português, em 1958, mas agora vai incorporar também contos e cartas. No segundo semestre, virá uma obra sobre Camões.

Durante o processo de reler os seus trabalhos produzidos ao longo de várias décadas, volta e meia a professora se surpreende com alguns textos

- Fico muito satisfeita porque eu leio e concordo com o que eu escrevi. Às vezes eu falo: nossa, mas isso aqui é bom mesmo. Imagina se tivesse mudado de ideia? – diverte-se ela.

Dona Cléo formou várias gerações na UFRJ entre 1944 e 2009. Muitos de seus ex-alunos são nomes consagrados e se tornaram colegas na ABL, como o jornalista Zuenir Ventura e o poeta Antônio Carlos Secchin, além de Bethânia, que, mesmo após se tornar uma amiga, faz questão de chamá-la de professora.

Ao receber a notícia de que foi a vencedora do “Faz Diferença” na categoria “Prosa”, a professora sentiu-se honrada, pois concorria com um grande amigo, Alberto da Costa e Silva, historiador, diplomata e colega de ABL. Os dois se conheceram quando Costa e Silva era embaixador em Portugal.
- Fiquei muito surpresa e feliz com a notícia.

Jurados: Luís Fernando Veríssimo (escritor), Mànya Millen, Malá Menezes e Luis Antonio Novaes.

Fontes: Jornal O Globo
Autor: Leonardo Cazes

Biografia da escritora:

Sexta ocupante da cadeira nº 8, eleita em 16 de dezembro de 2009, na sucessão de Antônio Olinto, foi recebida em 5 de abril de 2010, pelo Acadêmico Affonso Arinos de Mello Franco (Afonso Filho).

Cleonice Serôa da Motta Berardinelli nasceu no Rio de Janeiro em 28 de agosto de 1916, filha de Emídio Serôa da Motta e Rosina Coutinho Serôa da Motta. Sendo seu pai oficial do Exército, sujeito a sucessivas transferências, morou em inúmeras cidades do Brasil, mas mais longamente no Rio e em S. Paulo.

No Rio fez, no Instituto Nacional de Música, todos os cursos teóricos, nos quais se diplomou, sob a orientação do Maestro Oscar Lorenzo Fernandez, que também era seu professor de piano, cujo curso interrompeu por ter que mudar-se para S. Paulo. Nesta capital terminou o curso secundário e fez, na USP, o curso de Letras Neolatinas, onde teve como professor de Literatura Portuguesa o eminente mestre Fidelino de Figueiredo, que, ao fim do ano, a convidou para ser sua assistente, o que realizaria os mais altos sonhos da recém-licenciada, não fosse uma nova transferência de seu pai, desta vez para o Rio, onde ela vem a conhecer o então Professor da mesma disciplina na Universidade do Brasil,  Thiers Martins Moreira, que lhe faz o mesmo convite, definindo, então, o caminho que seria e continua a ser o seu.

Formação e experiência profissional

Licenciada em Letras Neolatinas pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (1938). Doutora em Letras Clássicas e Vernáculas pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (1959). Livre-docente de Literatura Portuguesa por concurso pela Faculdade Nacional de Filosofia (1959), defendendo a Tese: Poesia e poética de Fernando Pessoa, a primeira tese sobre o autor feita no Brasil.

Professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ – 1944), feita Emérita em 1987. Professora Titular da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio – 1963), feita Emérita em 2006. Professora da Universidade Católica de Petrópolis (1961). Professora de Língua e Literatura Portuguesa do Instituto Rio Branco – Curso de Preparação à Carreira Diplomática (1961-1963). Professora convidada pelas Universidades da Califórnia, campus Sta. Barbara (1985) e de Lisboa (1987 e 1989).

Orientadora de 74 dissertações de mestrado e 42 teses de doutorado. Participou de 32 Bancas de Concurso para Professor e de mais de uma centena de Bancas de Pós-Graduação. Vem ministrando, até agora, cursos de Pós-Graduação,
Conferências, palestras, mesas-redondas e comunicações
Proferiu um total de 175 conferências e 140 palestras em mesas-redondas, no Brasil e no Exterior.

Distinções

Comenda da Ordem do Infante D. Henrique, do Governo de Portugal (1967).

Acadêmica Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, eleita por unanimidade, em 28 de novembro de 1975.  (V:  Anuário Acadêmico de 1975-1977).

Membro titular do PEN Clube do Brasil, eleita por unanimidade, em 23 de fevereiro de 1984.
Grau de Oficial da Ordem de Rio Branco, concedido pelo Ministério das Relações Exteriores, e recebida em Lisboa, das mãos do Embaixador do Brasil, em 14 de março de 1990.

Comenda da Ordem de Santiago da Espada, concedida pelo Governo de Portugal, recebida no II Congresso Internacional da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1992.

Membro Fundador da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa, em agosto de 1992.

Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Ceará, tendo-lhe sido entregue o título em 1995.

Doutor Honoris Causa da Universidade de Lisboa, tendo-lhe sido entregues as insígnias no dia 10 de janeiro de 1996.

Medalha do Mérito Científico, conferida pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa, no Rio de Janeiro (FAPERJ),  em 9 de  novembro de 2000.

Vice-Presidente de Honra da Associação Internacional de Lusitanistas, eleita por unanimidade, em julho de 2002.

Prêmio Golfinho de Ouro, categoria Educação, concedido pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, em 30 de março de 2005.

Grã-Cruz da Ordem de Santiago da Espada, concedida pelo Governo de Portugal, e recebida pelas mãos do Primeiro Ministro, Engenheiro José Sócrates, no Real Gabinete Português de Leitura, em 11 de agosto de 2006.

Membro Honorário da Academia Brasileira de Filologia, em 18 de março de 2006.

Prêmio Fernando de Azevedo – Educador do Ano de 2008 –, concedido pela Academia Brasileira de Educação e entregue em sessão solene no dia 13 de outubro de 2008.

Personalidade Cultural de 2009. Prêmio concedido pela União Brasileira de Escritores e entregue durante cerimônia realizada no dia 27 de agosto de 2009.

Personalidade Educacional 2009. Prêmio concedido a educadores e instituições ligadas à área de Educação pela ABE (Associação Brasileira de Educação), ABI (Associação Brasileira de Imprensa) e Folha Dirigida. Cerimônia de entrega realizada no dia 22 de outubro de 2009.

Medalha da Ordem do Desassossego. Condecoração concedida pela Casa Fernando Pessoa e entregue numa cerimônia realizada no Instituto Moreira Sales, no dia 8 de março de 2010.

Homenagens

Homenagem dos colegas da UFRJ e PUC-Rio pelos 50 anos de magistério universitário, no II Encontro de Centros de Estudos Portugueses do Brasil, entre os dias 29/08 a 01/09 de 1994.
Cleonice Clara em sua geração. Livro de homenagem organizado por professores de Literatura Portuguesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro, contendo ensaios de especialistas brasileiros e estrangeiros.  Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1995.

“Diploma e Medalha de Mérito”, conferidos pelo Instituto Camões e pela Fundação Calouste Gulbenkian, entregues no final do Colóquio realizado em sua homenagem “Figuras da Lusofonia”, promovido pelas duas instituições e realizado  em Lisboa, de 8 a 10 de fevereiro de 1999.
Cleonice Berardinelli. Volume de abertura da coleção Figuras da Lusofonia, referente ao Colóquio realizado em homenagem à professora, em Lisboa no ano de 1999, contendo ensaios de especialistas brasileiros e estrangeiros.  Lisboa: Instituto Camões, 2002.

Homenageada especial no volume comemorativo dos 40 anos de existência da Revista Camoniana, vol. 14, publicação semestral, 2003.

Homenagem pelos 60 anos de Magistério, promovida pela Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, durante a abertura do I Encontro da Pós-Graduação em Vernáculas. Além da sessão e da placa comemorativa foi entregue uma edição especial contendo as dedicatórias dos trabalhos acadêmicos dos alunos e dos livros dos professores formados pela mestra.

Colóquio em Homenagem a Cleonice Berardinelli – “Quanto mais vos pago, mais vos devo”, promovido e realizado pela Cátedra Jorge de Sena com o apoio da Faculdade de Letras da UFRJ e da Fundação Calouste Gulbenkian, nos dias 30 e 31 de agosto de 2006.

Colóquio Meio Século em Pessoa. Homenagem aos 50 anos da Tese de Doutorado da Professora Cleonice Berardinelli, concebido e realizado pela Cátedra Jorge de Sena da UFRJ, nos dias 17 e 18 de junho de 2008.

Revista Letra. Viagens na Literatura. Número em homenagem aos 90 anos da professora Cleonice Berardinelli. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras,  2008.

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA