Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / GENTE EM FOCO

IVO PITANGUY
publicado em: 21/01/2016 por: Netty Macedo

"O ser humano é jovem de verdade quando não é apenas na aparência, mas sobretudo nas idéias, que não tenha preocupação apenas com a forma, mas sim com a essência."

IVO HÉLCIO JARDIM DE CAMPOS PITANGUY nasceu em Belo Horizonte, filho de Maria Stael Jardim de Campos Pitanguy e de Antônio de Campos Pitanguy. Casou-se com Marilú Nascimento com quem tem 4 filhos: Ivo, Gisela, Hélcius e Bernardo, que lhes deram 5 netos.

A sua clínica no Bairro de Botafogo, no Rio, tem atendido a pacientes de todas as partes do Brasil e do mundo por mais de 30 anos.

O professor Ivo Pitanguy, é considerado um gênio.
Ele ficou conhecido no mundo inteiro pela arte de esculpir e aperfeiçoar o exterior das pessoas. Mas, depois desse nosso bate papo, descobrimos ser ele uma pessoa simples, especialmente preocupada com o interior do ser humano. Para ele, o mais importante, é a juventude da alma.

Velhos Amigos: Você iniciou sua formação profissional ingressando na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e veio se formar no Rio, pela Universidade do Brasil, hoje, Universidade Federal do Rio de Janeiro?

Pitanguy: Posso dizer que vim a cavalo. Pois precisava servir ao exército, mais precisamente no Regimento Andrade Neves de Cavalaria, no Rio de Janeiro, para poder concluir os estudos. Em Belo Horizonte, não havia Regimento de Cavalaria, por isso digo que cheguei ao Rio trazido por um cavalo.

Velhos Amigos: E como se deu a sua integração ao Rio de Janeiro? Você construiu sua vida aqui.

Pitanguy: A amplitude da paisagem oceânica que me assombrou, ao descer das montanhas de Minas Gerais, provoca a cada dia a mesma emoção de outrora. Hoje, sinto-me parte dessa paisagem, tão íntima dentro de mim, tão íntima dentro desta cidade, minha segunda e definitiva morada.

Velhos Amigos: Depois de receber o cartucho, você estendeu seu estudos, por mais 6 anos, em estágios e cursos realizados no exterior...

Pitanguy: Como a maioria dos cirurgiões da minha geração, encontrei dificuldade em adquirir num único centro os conhecimentos necessários para exercer a especialidade. Assim sendo, iniciei uma longa e árdua peregrinação por diversos serviços. Obtive, por concurso, uma Bolsa de Estudos para estagiar nos Estados Unidos. Depois segui trabalhando e estudando pela Europa.

Velhos Amigos: Durante seus estudos na Europa, você teve oportunidade de conhecer pessoas importantes?

Pitanguy: Os momentos de lazer coincidiram com a convivência com esses personagens e outros mais, que marcaram a ebulição cultural do pós-guerra na França, entre eles Juliette Gréco - Jacques Laurent - Edith Piaff - Simone de Beauvoir - Jean Paul Sartre.

Velhos Amigos : E como você se sentiu na sua volta ao Brasil, depois de tantos anos?

Pitanguy: Ao retornar ao Brasil, senti ainda dificuldade em pôr em prática o que havia aprendido, já que os cirurgiões da época não davam a devida importância à cirurgia reparadora e muito menos à cirurgia estética.

Então, senti a necessidade de desenvolver num único centro os procedimentos cirúrgicos reparadores e estéticos que havia aprendido nesta minha longa peregrinação e criei o Serviço de Cirurgia Plástica e Reconstrutora da 8a. Enfermaria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro.

Posteriormente, ela ficou conhecida como a 38a. Enfermaria para atender as pessoas carentes. A base de sustentação, já naquela época para o atendimento, era a Clínica Ivo Pitanguy.

Velhos Amigos: Quando você voltou já trazia o ideal de ministrar seus ensinamentos?

Pitanguy: E continuamos com o mesmo entusiasmo, formando novos especialistas. Ensinar a Medicina é como cultivar a terra; a nós cabe fertilizá-la para que gerações futuras se beneficiem de seus frutos. Sobretudo difundindo este desejo de que cirurgia plástica não seja só um privilégio de elite, mas sim democratizada, fazendo com que toda a população possa ser beneficiada.

Isto faz com que o Brasil tenha, em face do mundo, uma visão diferente do que é a cirurgia plástica, eis que ela é parte da especialidade médica cirúrgica e a meta é o bem-estar do indivíduo, em paz com o seu corpo e em harmonia consigo mesmo e com o mundo que o cerca.

O SONHO DA JUVENTUDE ETERNA

Velhos Amigos: Existem muitos indivíduos que se tornam dependentes da cirurgia plástica, numa luta permanente contra o envelhecimento, na esperança de se manterem sempre jovens. Qual a sua opinião sobre este comportamento?

Pitanguy: Esse tipo de paciente, está mal informado e, dependendo de cada caso, precisa ser encaminhado para um psicólogo, psicoterapeuta ou psiquiatra para uma avaliação, pois o mais indicado aí não seria o atendimento cirúrgico.

No momento atual, não podemos impedir o processo de envelhecimento, mas podemos afirmar que as pessoas poderão envelhecer bem, de forma digna. O importante é o espírito que a pessoa traz com ela. Lon Gacre preconizava:

"Um dia, tornar-se-á evidente que a cirurgia reparadora terá o direito de remediar, na medida de nossos conhecimentos, as más-formações naturais que traumatizam o indivíduo influindo no seu comportamento social. Um dia, tornar-se-á evidente também que a cirurgia estética trará a serenidade almejada para aqueles que sofrem por sentirem-se traídos pela natureza".

Velhos Amigos : A Engenharia Genética e a descoberta do gene do envelhecimento vão, finalmente, tornar possível a realização do sonho dos pesquisadores e da humanidade na busca da juventude eterna?

Pitanguy: O ser humano continua na sua incessante busca da eterna juventude e da imortalidade. Compreender os processos biológicos do envelhecimento ainda é um dos grandes desafios da Ciência. A Engenharia Genética poderá retardar esse processo, impedindo a degradação celular. Neste caso, toda a cirurgia plástica também vai ser beneficiada. A descoberta e modificação do gene do envelhecimento poderá ser, finalmente, a realização do sonho da juventude eterna.

Velhos Amigos: A imprensa vem noticiando que o Brasil é o primeiro em cirurgia plástica. O que nos elevou a esta categoria?

Pitanguy: Acho que o motivo principal é a qualidade dos profissionais brasileiros, que as várias escolas de cirurgia plástica foram formando e que nós tivemos a satisfação de ser um dos primeiros, e graças a mais de uma geração de cirurgiões plásticos bem formados, que puderam dar a esta população um tratamento de boa qualidade.

Creio que só pode haver qualidade com bons profissionais. Sem nenhuma modéstia, eu me considero parte do grupo que trabalhou muito para formar esses medicos especializados.

Nossa filosofia, pela qual sempre lutamos, é a de formar médicos capazes de levar a nossa especialidade aos mais remotos territórios do nosso país e do exterior; motivados pelo amor ao ser humano e à transmissão do conhecimento - essência hipocrática do médico.

Velhos Amigos: Somos um povo "despido" em virtude do clima e das nossas praias. A grande corrida para a cirurgia plástica seria a salvação?

Pitanguy: O Brasil é também campeão em beleza de corpos, e o litoral muito amplo obriga a pessoa a se expor mais e por isso ela procura estar bem com sua imagem.

Não sei se é necessariamente com a cirurgia plástica. Existem outros recursos. Ela deve cultivar uma vida saudável, em que se cuida com ginástica, dieta, etc.

O ser humano tem obrigação de cuidar do seu corpo. A cirurgia é uma das formas de buscar o bem estar consigo mesmo. Mas é primordial cuidar também do espírito.

Velhos Amigos: Quais são os métodos mais avançados para corrigir os defeitos congênitos, como a gordura localizada e outros estragos do tempo?

Pitanguy: Nas últimas décadas, surgiram vários métodos para o tratamento de deformidades congênitas ou adquiridas. Dentre eles, podemos citar: a lipoaspiração no tratamento de gordura localizada, a videoendoscopia no tratamento de rugas frontais e elevação de supercílios.
O preenchimento de sulcos da face com colágeno ou ácido hialurônico e uso de toxina botulínica é outro recurso para atenuar a força muscular em certas regiões da face.

Os expansores cutâneos são empregados para corrigir as deformidades congênitas ou pós-traumáticas. A utilização de laser de CO2, ameniza rugas faciais e outras alterações cutâneas.

LIPOASPIRAÇÃO & SILICONE

Velhos Amigos: Muitas pessoas recorrem à lipoaspiração julgando que estarão liberadas dos exercícios físicos e das dietas...

Pitanguy: Um procedimento não substitui o outro. Essas pessoas estão mal informadas quanto aos benefícios, não só dos procedimentos cirúrgicos como também da prática de exercícios físicos. A gordura localizada é um caso, que, somente será bem resolvido utilizando a cirurgia, como a lipoaspiração.

Velhos Amigos: As mulheres estão cada vez mais buscando a perfeição de seus corpos; o uso de silicone pode trazer alguma complicação posterior?

Pitanguy: Tenho trabalhos feitos há 30 anos que continuam perfeitos. O material da bolsa que não deixa vazar o silicone foi um grande progresso. As próteses revestidas de poliuretano aumentaram muito o sucesso das aplicações.

Velhos Amigos: Qual a sua opinião sobre esta moda de aumentar os lábios e de aumentar exageradamente os seios com o recurso do silicone?

Pitanguy: O uso de silicone, injetado nos lábios ou em qualquer lugar, está condenado. É perigoso porque pode migrar para outras regiões. Os seios devem obedecer a uma medida harmoniosa, proporcional ao corpo. A mama é um órgão sexual importante e faz parte da imagem feminina. Para as mulheres que possuem seios pequenos, o implante pode ser um meio favorável de aumentar a auto-estima, de lhe dar uma nova identidade.

Velhos Amigos: A Enfermaria 38 da Santa Casa atende as pessoas pobres, e a classe média está podendo se dar ao luxo de fazer cirurgia plástica?

Pitanguy: O Brasil não é campeão em cirurgia plástica do ponto de vista de elite e sim do ponto de vista mais amplo, de conseguir mais acesso à cirurgia.

A classe média quando consegue vencer a parte de alimentação, de sustentação, ela também quer estar bem consigo mesma.

Então, a cirurgia plástica deixou de ser um privilégio da elite. Nisso o nosso país foi pioneiro e por isso, conquistou o título de campeão.

Velhos Amigos: E como se tornou possível este processo?

Pitanguy: Nós temos aqui um centro. A Clínica é hoje uma entidade que engloba todas as especialidades da cirurgia plástica. É um centro de pesquisa permanente de formação de profissionais.

A Santa Casa está ligada à clínica e ambas à Universidade Católica e ao Hospital Carlos Chagas. Da interação com meus discípulos emana a força e a vontade de partilhar a experiência adquirida, mantendo também sempre acesa a curiosidade do aprendizado permanente.

Nós demos à cirurgia plástica outro sentido: colocar a iniciativa privada junto com a Santa Casa e a Universidade auxiliando na formação de profissionais .

Em outras regiões do Brasil isso foi copiado, o que é ótimo. O Brasil é relativamente pobre em relação a outros países, mas como a grande parte da cirurgia plástica é artesanal, pode ser feita com experiência, critério, não sendo necessário muita aparelhagem. Talvez isso seja outro fator para o seu maior desenvolvimento no Brasil.

Velhos Amigos: As novas técnicas de rejuvenescimento adiam o aparecimento de rugas e até eliminam algumas, evitando o procedimento cirúrgico; elas surtem os efeitos desejados?

Pitanguy: Hoje em dia, existem alguns procedimentos não cirúrgicos que, muitas vezes, podem atenuar as rugas e sulcos da face. Por outro lado, o tratamento cirúrgico é sempre indicado para os casos de flacidez de pele. No momento, não conhecemos nenhuma substância que previna a flacidez cutânea.

Acredito que futuramente isso possa vir a ser uma realidade. Enquanto isto não é alcançado, o importante é considerar os cuidados com a pele, como hidratação adequada, dieta balanceada, mínima exposição solar, prática de esportes, e evitando o hábito de fumar ou de ingerir bebidas alcoólicas.

Velhos Amigos: Você pratica a cirurgia plástica associando o aprimoramento da formação humanística...

Pitanguy : O campo do conhecimento que abracei lida com os anseios mais íntimos do ser humano na sua incessante busca de harmonia, como forma de bem-estar e identificação com sua própria imagem.

O principal é a pessoa ter dentro de si uma capacidade de cultuar mais o espírito e não dar ao seu corpo um narcisismo exagerado.

O ser humano é jovem de verdade quando não é apenas na aparência mas sobretudo nas idéias, que não tenha preocupação apenas com a forma, mas sim com a essência.

Velhos Amigos: O cirurgião plástico é um escultor do corpo? Ele necessita de dom artístico?

Pitanguy: Uma coisa é certa: é indispensável ser médico. Mas, antes, é preciso que ele entenda o ser humano.
Cito uma definição de Mclndoe que diz:

"Ser cirurgião não significa somente saber elaborar o desenvolvimento de uma intervenção, é poder enfrentar com uma certa calma o imponderável, buscando soluções viáveis. Ser cirurgião é, antes de tudo, respeitar e se interessar por aqueles que nos procuram. Quem não pensa assim não é um cirurgião, mas um simples mecânico."

Velhos Amigos: Os anúncios de cremes e certos aparelhos, prometem acabar com a gordura localizada, as estrias e até garantem o rejuvenescimento facial. Eles merecem crédito?

Pitanguy: O rejuvenescimento facial tem como finalidade atenuar as marcas produzidas pelo tempo. Algumas pessoas, dependendo do tipo de pele, estilo de vida, etnia, sofrem mais os efeitos do envelhecimento do que outras.

Atualmente, existem muitas clínicas que possuem um padrão excelente de qualidade, que reúnem profissionais médicos habilitados para exercerem tratamentos cosmetológicos, dermatológicos e cirúrgicos.

Quanto a propagandas enganosas, é preciso não se deixar enganar, ficar sempre atento, pesquisar, consultar um especialista para saber se os produtos anunciados foram comprovados cientificamente.

Qualquer tratamento tem uma relação imediata com a indicação adequada e um procedimento correto.

Velhos Amigos: Uma pergunta mais do que indiscreta - você já fez cirurgia plástica?

Pitanguy: Não me submeti porque me tolero ainda. Tenho um ego condescendente. Como não planejo nada na vida, também ainda não planejei minha possível cirurgia.

Tenho excelentes assistentes que trabalham comigo e eu faria aqui mesmo na minha clínica. Se amanhã tiver vontade, se me der bem-estar, por que não?

Velhos Amigos: Você é Membro da Academia Brasileira de Letras, você costuma freqüentar as reuniões?

Pitanguy: A academia, é um lugar onde gosto muito de ir, nas minhas pequenas folgas, para encontrar pessoas de quem eu gosto muito e com as quais posso conversar. Infelizmente, não dou à academia o tempo que gostaria de dar.

Estou ainda muito preso a minha meta de ajudar o ser humano. Sinto que ainda existem muitos profissionais que necessitam dos meus ensinamentos. Esta parte consome muito do meu tempo.

Tento estar com a minha família ou comigo mesmo, no tempo que me resta livre. É um tempo muito importante, precioso.

Já comecei a traçar planos para ficar mais livre. Estou dando nova feição à clínica, dando a ela um cunho institucional. Antes, somente eu operava. Hoje a clínica tem vida própria.

Tenho comigo um grupo pequeno de residentes de alto nível. Eles dão consultas e atendem. O meu plano é tornar nossas técnicas mais acessíveis à maior parte da população e também ganhar um pouco mais de tempo livre para que eu possa me dedicar mais a um número menor de pacientes, àqueles que só têm confiança em mim.

Velhos Amigos: Ligado ao esporte e a tudo que se refere a natureza, você consegue arranjar tempo para usufruir desses prazeres?

Pitanguy: O esporte sempre foi um elo entre amigos, e posteriormente com minha mulher, meus filhos e netos. Gosto de praticar o karatê, a pesca submarina, continuo a jogar tênis e a esquiar.

Velhos Amigos: Na sua Ilha em Angra você construiu todas as oportunidades para desfrutar dessas práticas?

 

Pitanguy: Em Angra dos Reis busco a paz comigo mesmo, o prazer de estar com a minha família. É onde posso dar vazão ao meu amor à natureza, mantendo um criadouro para animais silvestres.

Por intermédio de um projeto junto ao IBAMA, preservamos espécies em extinção e temos um plano técnico para criar frutos-do-mar em fazenda marinha.

Velhos Amigos: Você convive com a vaidade, com os interesses principalmente ligados à aparência, à matéria, mas é evidente também a sua constante preocupação com o interior das pessoas...

Pitanguy: Minha mãe era de Diamantina, de uma sociedade que dá muito mais valor ao lado espiritual do que ao material. E é por isso que eu sempre digo, que o importante é a pessoa ser jovem por dentro.

Velhos Amigos: A família é a sua base de sustentação para o equilíbrio pessoal e profissional. Você já valorizava tanto a família na sua adolescência, quando geralmente se é rebelde?

Pitanguy: Sem meu pai, não teria me tornado um médico, um cirurgião. Sem ele não teria sabido lidar com a vida, não teria alcançado a harmonia. Minha admiração por ele na adolescência foi profunda a ponto de me ligar a ele como o cordão umbilical me havia ligado a minha mãe. A influência que ele exerceu sobre mim decretou o meu destino.

Sem minha mãe, não teria a visão humanista do mundo. Com ela aprendi que não se pode viver sob o signo do medo, muito menos sob o signo da morte.

Ela sintetizava sua filosofia existencial nas belas palavras do Imperador Romano Marco Aurélio:

"Tudo fazer, tudo dizer, tudo pensar,
como uma pessoa que a cada instante
pode deixar a vida."

Autor(a): Maria de Lourdes Micaldas
Fonte: www.pitanguy.com.br / Jornal de Minas (Mirtes Helena)

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA