Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / HORA DA MÚSICA

CHARLES AZNAVOUR
publicado em: 14/02/2017 por: Lou Micaldas

Filho de refugiados armênios que fugiram do Genocídio, perpetrado pelos Turcos em 1915, Charles Aznavour nasceu em Paris, em maio de 1924. Seu pai Michá Aznavourian, armênio nascido na Geórgia, país fronteiriço da Armênia, era filho do cozinheiro do Czar Nicolau II e sua mãe, Knar, era filha de comerciante residente na Turquia. Michá, antigo barítono e Knar, comediante, criam os dois filhos, Charles e Aída, numa atmosfera de música e teatro.

Em 1933, Charles entra numa escola de Arte Dramática e, logo em seguida, consegue pequenos papéis no teatro e no cinema. Assim que a França entra na Segunda Guerra Mundial, em 1939, Michá se alista como voluntário. A França é derrotada, ele volta para casa e ajuda sobremaneira a Resistência Francesa (o maquis).

Charles, por seu turno, trabalha duro para poder despontar, mas é preciso esperar uns quinze anos para saborear o gosto do triunfo. Com efeito, em 1957, o seu nome aparece pela primeira vez no topo do cartaz do Olímpia. A seguir, empreende uma "tournée" ao estrangeiro e, em todos os países, é acolhido com entusiasmo.

Paralelamente, trabalha em vários filmes de sucesso. A maioria dos grandes artistas precisou de um empurrãozinho para poder se sobressair e Charles Aznavour nunca negou que este empurrãozinho veio de Edith Piaf. Charles Aznavour compôs e gravou inúmeras canções, como: "La Bohême", "Que C'est Triste Venise", "La Mamma", "Ils Sont Tombés", "Avec", "Comme Ils Disent", etc.

Charles Aznavour atinge o ápice da sua consagração na década de 80, sendo aclamado em todas as partes do mundo: Estados Unidos, Europa, América Latina, África, a antiga URSS, Grécia, Turquia, Líbano etc... Porém, com a aparição da canção "Ils Sont Tombes", ele é proibido de pisar na Turquia e suas canções impedidas de serem interpretadas, pois o Governo Turco não reconhece o Genocídio e o renega.

Em 1988, um terrível tremor de terra assola a Armênia (50.000 mortos). Imediatamente, Charles Aznavour entra de corpo e alma num projeto de ajuda aos necessitados, cria a Fundação "Aznavour para a Armênia", que se encarrega de angariar fundos e enviar roupas e alimentos para os sinistrados. A seguir, com o afamado diretor de cinema Henri Verneuil (Achot Malakian), produz um curta-metragem que reúne mais de noventa artistas do mundo inteiro, denominado "Para ti Armênia" e mais de um milhão de exemplares são vendidos.

Considerado um grande benemérito, é nomeado Embaixador permanente na Armênia pela UNESCO. Por fim, é agraciado com o título de "Oficial da Legião de Honra", conferido pelo Presidente da República da França, Jacques Chirac.

Faz cinquenta anos que Charles Aznavour é considerado como o Grão-Mestre da canção francesa. É um artista completo, consagrado comediante, exímio compositor e, ainda pintor nas horas vagas. Acaba de participar do filme "ARARAT", do diretor Atom Egoyan.
 
(Traduções das músicas do francês para português por Lucy Lúpia Pinel)

 

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA