Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / HORA DA MÚSICA

GILBERTO GIL
publicado em: 27/06/2017 por: Lou Micaldas

Nascido em Salvador em 26 de junho de 1942, passou a infância em Ituaçu, no interior da Bahia, onde começou a se interessar pela música das bandas da cidade e pelo que ouvia no rádio, como Orlando Silva e Luiz Gonzaga.

Aos 9 anos muda-se para Salvador com a irmã, para terminar o colégio, e começa a aprender acordeom. Durante a juventude intensifica os estudos musicais, formando aos 18 anos o conjunto "Os Desafinados".

No fim dos anos 50, João Gilberto se torna uma influência importante para Gil, que passa a tocar violão.

Na faculdade, faz contato com a música erudita contemporânea por meio do vanguardista grupo de compositores da Bahia, que incluía Walter Smétak e Hans Joachim Koellreuter.

Em 1962 grava o primeiro compacto solo (“Povo Petroleiro” e “Coça Coça, Lacerdinha“), e conhece Caetano Veloso, Maria Bethânia e Gal Costa.

No ano seguinte, com a entrada de Tom Zé no grupo, fazem o show “Nós, Por Exemplo“, no Teatro Vila Velha, em Salvador, que inaugura a carreira dos quatro artistas.

Logo em seguida Gilberto Gil se muda para São Paulo, onde trabalha na empresa Gessy-Lever durante o dia e frequenta bares e casas de show durante a noite. É nessa época que conhece Chico Buarque, Torquato Neto e Capinam. Começa a se tornar mais famoso no programa de televisão "O Fino da Bossa", comandado por Elis Regina. Lá apresenta, entre outras, suas composições “Eu Vim da Bahia” e “Louvação“.

Com o sucesso, sai do emprego na Gessy-Lever e assina contrato com a Philips, que lança seu primeiro LP, “Louvação“, em 1967. Já radicado no Rio de Janeiro, Gil participa de festivais da Record e da TV Rio e chega a ter seu próprio programa na TV Excelsior, o "Ensaio Geral".

Separado da primeira mulher, passa a viver com a cantora Nana Caymmi, que defende “Bom Dia” (parceria dos dois) no 3º Festival da Record, em 1967. No mesmo festival Gil toca “Domingo no Parque” acompanhado pelos Mutantes, uma das músicas mais impactantes do festival, classificada em segundo lugar. “Alegria, Alegria“, de Caetano Veloso, classificada em quarto no mesmo festival, formaria junto com “Domingo no Parque” o embrião do movimento tropicalista, em boa parte por causa da inserção de guitarras elétricas em uma música que não era rock.

Em 1968 lançou o LP “Gilberto Gil“, dando início ao Tropicalismo, e tendo ele e Caetano Veloso como principais figuras.

Com uma proposta de antropofagia de valores culturais estrangeiros baseada em ideias de Oswald de Andrade, o tropicalismo se concretizou com “Tropicália ou Panis et Circensis“, disco que contou, além de Caetano e Gil, com "Os Mutantes", Torquato Neto, Capinam, Gal Costa, Tom Zé, Nara Leão e arranjos do maestro Rogério Duprat.

Em 1969 foi preso pela ditadura militar, e lançou a irônica “Aquele Abraço“, uma de suas músicas mais famosas. Em seguida partiu com Caetano para o exílio na Inglaterra.

Voltou em janeiro de 1972, para um show em que lançou músicas como “Oriente” e “Back In Bahia“, do seu disco seguinte, “Expresso 2222“.

Desde o final dos anos 60 Gilberto Gil se consolidou como uma das mais criativas e influentes personalidades da música brasileira. Sempre em sintonia com o que ocorre de novo na música mundial, seus discos são lançados em persos países e sua carreira internacional já lhe rendeu inclusive um Grammy na categoria Melhor Disco de World Music em 1998, pelo álbum “Quanta Ao Vivo“.

Em 72, revitalizou a cultura nordestina no LP “Expresso 2222“, mais tarde, reviu a brejeirice sertaneja em “Refazenda“. Em 79, o álbum “Realce” foi um pisor de águas em sua carreira, quando começou a flertar com o reggae e o pop. São desta fase ainda os LPs “Luar“, “Um Banda Um“, “Extra“, “Raça Humana“, “Dia Dorim, Noite Neon” e “O Eterno Deus Mu Dança“. Sua atualidade pode ser percebida por meio de seus discos, caso do pioneiro CD “MTV/Unplugged” (1994), que lançou uma verdadeira mania de discos acústicos no Brasil, e de “Tropicalia 2” (ao lado de Caetano Veloso), (…)

Gilberto Gil tem papel fundamental na MPB

Gilberto Gil tem um papel fundamental no processo constante de modernização da Musica Popular Brasileira. Na cena há 49 anos, ele tem desenvolvido uma das mais relevantes e reconhecidas carreiras como cantor, compositor e guitarrista.

Gilberto Gil tem tido seus álbuns lançados mundo a fora, desde 1978, o ano do sucesso de sua performance no “Montreux Jazz Festival”, na Suíça , gravado ao vivo.

Todo ano ele viaja em excursão para a Europa, Américas e Oriente com sua música contagiante, com forte tendência rítmica e riqueza melódica, em uma mistura assim como é a mistura de povos.

Ritmos do nordeste do Brasil como o baião, samba e bossa-nova foram fundamentais na sua formação. Usando essas influências como um ponto inicial, Gil formulou sua própria música, incorporando rock, reggae, funk e ritmos da Bahia, como o afoxé.

A obra musical de Gilberto Gil abrange uma ampla dimensão e variedade de ritmos e questões em suas composições, pertinentes a realidade e a modernidade; da desigualdade social às questões raciais, da cultura Africana à Oriental, da ciência à religião, entre muitos outros temas. A abrangência e profundidade nos diferentes temas de sua obra musical, são qualidades específicas deste artista, fazendo de Gilberto Gil, um dos melhores e mais importantes compositores musicais brasileiros.

A importância de Gilberto Gil na cultura de seu país vem desde os anos 60, quando ele e Caetano Veloso criaram o Tropicalismo. Radicalmente inovativo no cenário musical, o movimento assimilou a cultura pop aos gêneros nacionais; profundamente crítica nos níveis políticos e morais, o tropicalismo finalizou sendo reprimido pelo regime autoritário militar.

Gilberto Gil e Caetano Veloso foram exilados de seu país, indo para Londres.

Em Londres, Gilberto Gil gravou um album em inglês pela gravadora local PHILIPS.

Quando ele retornou ao Brasil, ele começou a series de discos antológicos nos anos setenta: “Expresso 2222”, “Gil e Jorge”(com Jorge Ben Jor), ” Os Doces Bárbaros” (com os baianos Caetano Veloso, Gal Costa e Maria Bethânia) e a trilogia conceitual: “Refazenda” (sobre a extração de campo), “Refavela” (com ritmos da Jamaica, Nigeria, Rio de Janeiro e Bahia), e “Realce” – este último gravado em Los Angeles, firmando sua opção pela música pop, que direcionaria o desenvolvimento de sua trajetória nos anos 80. Nos anos 90, vieram: “Parabolicamará”, “Tropicalia2” ( com Caetano Veloso, celebrando os 25 anos do movimento Tropicalista) e “Unplugged” ( a coletânea de sucessos gravado ao vivo pelo canal MTV). In 1997, Ele lançou o album duplo “Quanta” e em 1998, lançou “Quanta gente veio ver”, em album duplo ao vivo, comemorando o enorme sucesso de uma tounee mundial e que ganhou o “Grammy Award” de melhor musica mundial. Em 2000, lançou o CD “Eu, Tu, Eles” e o CD “Gil & Milton” (com Milton Nascimento). Em 2001, lança o CD “São João Vivo”.

Em 2002, lança o CD e DVD “Kaya n´Gan Daya”, que depois de uma tournée mundial, tornou-se em CD ao vivo. Em 2004, lançou ao vivo o CD e DVD “Eletracústico”. Eletracustico foi o resultado do concerto que realizou na ONU em N.Y. “Eletracústico” veio para atender a imensa demanda do público, depois do intervalo de três anos sem gravar, desde que assumiu o cargo de Ministro da Cultura do Brasil. Alguns dos seus sucessos estão mais intensivamente marcados pelo diálogo entre a percussão acústica e eletrônica, cantando um repertório histórico de sucessos dos anos 60 até os dias de hoje, com a alegria e entusiasmo marcantes da sua voz.

Em 2006, a gravadora Biscoito Fino relança o disco com o título de “Gil Luminoso – voz e violão”, cd que foi gravado em 1999 para ser encartado no Livro “Giluminoso – A Po.Ética do Ser”, de Bené Fonteles. O livro foi uma homenagem a Gil com mais de 50 letras do compositor, fotos e um longo depoimento de Gilberto Gil. A tournée Gil Luminoso, uma das mais belas de sua carreira, passou pela Europa e Estados Unidos.

Em 2008, Gilberto Gil lançou “Banda Larga Cordel”, reafirmando seu engajamento irreversível com as novas réguas e compassos do universo “bits and bytes” – tema que o tem fascinado por mais de trinta anos – onde Gil disponibiliza ao máximo seu trabalho para webcasts, podcasts, cellcasts, etc. Os shows tiveram um caloroso convite para que se fotografe e filme o que quiser o quanto quiser. Os bastidores da tour foram lançados na internet ao máximo em persas plataformas a partir do hotsite especialmente criado.

Ainda no ano de 2009, em dezembro, foi lançado o CD/DVD BandaDois, registro do show gravado ao vivo em setembro no Teatro Bradesco em SP, sob direção de Andrucha Waddington. O show, com Gil em voz e violão, contou com as participações de Maria Rita e de seus filhos Bem (que o acompanha ha tempos nas apresentações) e o filho mais novo José, que surpreendeu o público nos números em que toca baixo.

Em abril de 2010 excursionou pelos Estados Unidos, com o projeto Concerto de Cordas, e logo após seu retorno ao Brasil, inicia a gravação de seu novo disco, “Fé na Festa”, todo dedicado ao gênero do forró, o álbum inclui parcerias com Vanessa da Mata e Nando Cordel.

Em junho de 2010 Gil excursionou o nordeste com a turnê “Fé na Festa”, durante o mês de julho, leva a Europa o mesmo show, intitulado em terras estrangeiras como: “For All”.

Com 57 álbuns lançados, Gilberto Gil ganhou 8 Grammys

Por seu engajamento sempre criativo em levar para o mundo o coração e a alma da música brasileira, Gilberto Gil tem sido contemplado por persas entidades e personalidades e tem recebido muitos prêmios no Brasil e no exterior.

Seu talento, sua curiosidade, a firmeza de sua convicção cultural como músico e embaixador, o torna único.

ESPERANDO NA JANELA

 

 

Fonte: www.onordeste.com/portal/gilberto-gil/

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA