Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / HORA DA MÚSICA

GILLIARD
publicado em: 14/09/2017 por: Lou Micaldas

O potiguar de nome francês começou a cantar aos oito anos de idade, em programas de rádio locais, incentivado pela mãe, dona Eliete, que também era cantora.

Sua grande inspiração foi Luiz Gonzaga, sua principal referência ao falar de música em sua infância. Seu repertório também era influência de dona Eliete. Antes de se casar e abandonar a carreira, ela cantava Agnaldo Rayol, Ademilde fonseca, Trio Iraquitã, Zilma Rayol. Eram estas canções que entoava quando criança. Gilliard ganhou o seu primeiro concurso "A Mais Bela Voz Potiguar", aos oito anos, cantando "Você Passa e Eu Acho Graça" de Ataulfo Alves, o que o levou para Recife onde ganhou o concurso da mais bela voz nordestina, no programa "Você faz o Show", de Fernando Castelão, da TV Jornal do Comércio.

Virou garoto propaganda do colégio, ganhou bolsa de estudos e foi contratado pela TV Comércio de Recife. Ganhava cachê e passou a sustentar a família, já que a mãe acabara de se separar do pai. O cachê não era suficiente. Então, já aos doze anos, trabalhava numa relojoaria no período da manhã e freqüentava a escola à tarde.

Viveu desse modo até 1974, quando o mesmo Carlos Alberto da TV de Natal levou o cantor para o Rio de Janeiro. Na Cidade Maravilhosa fez um disco independente. Conheceu Eduardo Lages, que era maestro da TV Globo. Sua primeira música foi um sucesso no Nordeste: "Queria Estar Perto de Você". Foi morar no Rio de Janeiro. Em 1978, compôs "Aquela Nuvem" e gravou-a no final de 1979, o que lhe rendeu um contrato com a RGE e seu primeiro grande sucesso nacional.

No início, só tocava em rádio. Só depois de aparecer em programas de TV, como o de Flávio Cavalcanti, do Chacrinha, no Clube dos Artistas com Bolinha e no programa Almoço com as Estrelas, em que Lolita Rodrigues anunciou-se sua madrinha, é que veio o reconhecimento do público. Começou a se apresentar no Globo de Ouro, com o Cazuza como divulgador, que era filho do dono da RGE, então sua gravadora, João Araújo. Em 1984, Gilliard lançou seu quinto disco com uma canção que foi exigência sua, já que a gravadora não achava que tinha o seu perfil. Foi "A Pulga e o Percevejo". Um enorme sucesso na época que ele trazia na bagagem, desde criança, de sua cidade Natal. Foi cantar no concurso Miss Brasil de smoking, num clima dos mais românticos. 

A música escolhida para a ocasião era "Quem me Dera", tema do Tony Ramos na novela das oito. Na hora de soltar o playback erraram a faixa e soltaram "A Pulga e o Percevejo". As misses nem se mexiam, mas o público foi ao delírio. Depois desse dia, ninguém mais segurou o sucesso dessa música e Gilliard se revelava em outro estilo de canção. Em 1996, quando dona Eliete faleceu, Gilliard entrou em depressão e já não quis dar continuidade à carreira incentivada por ela.

Mas, com a proposta da gravadorade lançar seu primeiro disco ao vivo, o cantor ídolo do Brasil, não resistiu. Gilliard lança seu vigésimo segundo Cd, com todas as músicas de seu repertório que o público adora cantar e nunca esquece.

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA