Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / HORA DA MÚSICA

LUCIANO PAVAROTTI
publicado em: 28/03/2017 por: Lou Micaldas

Luciano Pavarotti (1935-2007) foi um tenor italiano, a personificação da ópera no final do século XX.

Luciano Pavarotti (1935-2007) nasceu em Modena, Itália, no dia 12 de outubro de 1935. Filho de um padeiro e tenor amador e de uma funcionária de uma fábrica de cigarros desejava ser jogador de futebol. Com nove anos passou a cantar com o pai no pequeno coral local. Passou sete anos fazendo treino vocal. Graduou-se na Escola Magistrale. Durante dois anos lecionou em uma escola primária.

Em 1954, começou seus estudos de música. Em 1955 cantou pela primeira vez junto com o pai, no Corale Rossini, um coral masculino de Modena. Começou sua carreira como tenor em pequenas casas de ópera. Em 1961 fez sua estreia no papel de Rodolfo, na ópera La Bohème, de Giacomo Puccini, no Teatro Municipale, em Reggio Emilia, na Itália. Em 1963 estreou na Ópera Estatal de Viena, com o mesmo espetáculo. Ainda em 1963 atingiu o estrelato ao interpretar Rodolfo numa montagem de La Bohème no Covent Garden, em Londres.

Sua estreia nos Estados Unidos foi em 1965, na Grande Ópera de Miami, ao lado de Joan Sutherland. No ano seguinte fez uma apresentação no La Scala, revivendo a ópera La Bohème, ao lado de sua amiga de infância Mirella Freni. Seu maior sucesso nos Estados Unidos foi em 1972, no Metropolitan Opera House, em Noava Iorque, quando levou ao público uma produção de La Fille du Régimente. A apresentação foi um sucesso, o tenor retornou dezessete vezes ao palco.

No início da década de 80, Luciano Pavarotti criou o “The Pavarotti International Voice Competition”, para jovens cantores. Os vencedores do primeiro concurso, contaram ao lado dele em 1982, em “Bohème e L’elisir d”amore (Gaetano Donizetti). Na segunda competição os vencedores se apresentaram em La Bohème e Um Ballo in Maschera (Verdi), em 1986.

Pavarotti deu à ópera uma visibilidade sem precedentes. Gravou versões celebradas de óperas famosas, mas fez sucesso principalmente com discos em que investia somente as árias conhecidas. Com esse enfoque pop, atingiu ouvintes numa escala nunca vista. “Os Três Tenores”, projeto que dividiu com Plácido Domingo e José Carreras, em 1990, resultou em um dos discos mais vendidos da música clássica.

Pavarotti esteve ainda à frente de concertos filantrópicos ao lado de roqueiros como Elton John, Sting e Bono Vox – todos também transformados em CDs de sucesso. No Brasil, em 1998, o tenor se apresentou ao lado de Roberto Carlos, no “Grande Encontro”, no Estádio Beira Rio, em Porto Alegre, quando cantaram juntos “O Sole Mio” e “Ave Maria”.

Entre seus projetos-solos e as diversas parcerias, Luciano Pavarotti vendeu 70 milhões de discos. Com seu companzil e seu estilo bom vivant, ele foi uma figura exuberante. Era especialista em cancelar récitas em cima da hora. Sua última turnê foi no ano de 2004. Em 2006 cantou “Nessun Dorma”, na cerimônia de abertura dos jogos Olímpicos de Inverno, em Turim, na Itália. Nesse mesmo ano, foi diagnosticado com um câncer no pâncreas, passou por uma operação e várias internações.
Luciano Pavarotti faleceu em Modena, na Itália, no dia 6 de setembro de 2007.
 
Luciano Pavarotti e Liza Minnelli
 

 

Colaborador(a): Oscar Moreira

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA