Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / HORA DA MÚSICA

MOREIRA DA SILVA
 
 Antonio Moreira da Silva nasceu no Rio de Janeiro, em 1º de abril de 1902, e faleceu também no Rio de Janeiro, em 6 de junho de 2000. Foi um cantor e compositor brasileiro, também conhecido como Kid Morengueira. Filho mais velho de Bernardino de Sousa Paranhos, trombonista da Polícia Militar, e de Dona Pauladina de Assis Moreira.
 
Carioca da Tijuca, criado no Morro do Salgueiro, só iniciou os estudos aos nove anos, mas abandonou a escola aos onze anos, quando da morte do pai. Foi empregado de fábricas, tecelagens e chofer de praça e de ambulância. Iniciou a carreira em 1931, com "Ererê é Rei da Umbanda". Em 1992, foi tema do enredo da escola de samba Unidos de Manguinhos. Em 1995, gravou "Os 3 Malandros In Concert", com Dicró e Bezerra da Silva, aos 93 anos de idade. Em 1996, foi tema do livro Moreira da Silva – “O Último dos Malandros”.
 
Com 98 anos de idade, ainda se apresentava em shows. Suas músicas: “Implorar” (1935); “Jogo Proibido” (1937); “Acertei no Milhar” (1940); “Amigo Urso”; “Fui a Paris”; “Na Subida do Morro”; “O Rei do Gatilho”, onde surge o Kid Morengueira (1962); “O Último Dos Moicanos” (sequência de “O Rei Do Gatilho”)(1963).
 
BEZERRA DA SILVA
 
 Bezerra da Silva nasceu em Recife, em 23 de fevereiro de 1927, e faleceu no Rio de Janeiro, em 17 de janeiro de 2005. Foi um cantor, compositor e violonista brasileiro, considerado o embaixador dos morros e favelas. Cantou sobre os problemas sociais encontrados dentro das comunidades, se apresentando no limite da marginalidade e da indústria musical.
 
 Foi de Pernambuco para o Rio de Janeiro, aos 15 anos, escondido em um navio, e lá ficou trabalhando na construção civil. Tocava percussão desde criança e logo entrou em um bloco carnavalesco, onde um dos componentes o levou para a Rádio Clube do Brasil, em 1950. A partir daí passou a atuar como compositor, instrumentista e cantor, gravando seu primeiro compacto em 1969 e o primeiro LP seis anos depois. Inicialmente gravou cocos sem sucesso. Mas a partir da série Partido Alto Nota 10 começou a encontrar seu público. O repertório de seus discos passou a ser abastecido por autores anônimos (alguns usando codinomes para preservar a clandestinidade) e Bezerra notabilizou-se por um estilo "sambandido", precursor mesmo do "gangsta rap" norte-americano.
 
Antes do hip hop brasileiro, ele passou a transmitir do outro lado da trincheira da guerra civil não declarada: "Malandragem Dá um Tempo", "Seqüestraram Minha Sogra", "Defunto Cagüete", "Bicho Feroz", "Overdose de Cocada", "Malandro Não Vacila", "Meu Pirão Primeiro", "Lugar Macabro", "Piranha", "Pai Véio 171", "Candidato Caô Caô". Em 1995 gravou pela Sony "Moreira da Silva, Bezerra da Silva e Dicró: Os Três Malandros In Concert", uma paródia ao show dos três tenores, Pavarotti, Domingo e Carreras. O sambista virou livro em 1998, com "Bezerra da Silva - Produto do Morro", de Letícia Vianna.
 
DICRÓ
 
Dicró, nome artístico de Carlos Roberto de Oliveira, nascido em Mesquita em 14 de fevereiro de 1946. É um músico brasileiro de sambas satíricos que atua desde a década de 1970. Com letras bem-humoradas e muitas vezes de duplo sentido, é considerado um dos principais expoentes da malandragem. É muito conhecido por falar mal da própria sogra, em tom de brincadeira.
 
Iniciou sua carreira na década de 70, injetando um humor escrachado em suas letras. O disco "Barra Pesada", de 1978, é um bom exemplo do samba de Dicró. Frequentador da poluída praia de Ramos, suas músicas retratam, de forma satírica, o cotidiano dos subúrbios, principalmente a Baixada Fluminense.
 
Em 1991, tentou a carreira de teatrólogo com a peça "O Dia em que Eu Morri".

Fonte: Wikipédia e outros sites

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA