Logomarca Velhos Amigos
INFORMAÇÃO / MEIO AMBIENTE

PAPEL FEITO DE ESTERCO DE VACA: DEU CERTO
publicado em: 13/04/2018 por: Lou Micaldas

Papel feito de esterco, pode? Cientistas da Universidade de Viena garantem que o material se mostrou uma excelente fonte de celulose para a fabricação de papel em países onde árvores são escassas.

Além disso, pode ser um método barato e sustentável.

Foi o que pesquisadores divulgaram durante o encontro anual da Sociedade Americana de Química.

A ideia

A ideia de transformar esterco em papel surgiu quando o químico Alexander Bismarck estava em férias em um vilarejo rural.

Ele observava as cabras se alimentando do pasto seco, quando teve o insight. “Percebi que o produto final dessa refeição seria matéria vegetal parcialmente digerida. Então, deveria ter celulose lá”, recorda.

“Animais comem biomassa contendo celulose, mastigam isso e expõem esse material a enzimas e ácido em seus estômagos e produzem o cocô.

Dependendo do animal, até 40% do esterco é formado de celulose, que é facilmente obtida”, diz.

Dessa forma, gasta-se menos energia e investe-se menos em tratamentos químicos para transformar o material parcialmente digerido em nanofibras de celulose, pensou o cientista.

Depois de trabalhar com esterco de cabra, Bismark e o aluno de pós-doutorado da Universidade de Viena Andreas Mautner foram atrás de fezes de cavalo, vaca e até elefantes.

Preparação

A equipe tratou o material com uma solução de hidróxido de sódio. A substância remove parcialmente a lignina, que, depois, pode ser usada com fertilizante ou combustível, assim como outras impurezas, incluindo proteínas e células mortas.

Para remover totalmente a lignina e produzir polpa branca para fazer o papel, o material tem de ser lavado com hipoclorito de sódio, um desinfetante e alvejante.

A celulose purificada requer pouca moagem para quebrar em nanofibras na preparação para uso em papel, diferentemente de métodos convencionais.

“Você precisa de muita energia para reduzir a madeira em nanocelulose”, explica Mautner. Mas, com as fezes como matéria-prima, é possível reduzir o número de passos porque o animal já mastigou a planta e a “tratou” com ácidos e enzimas. “Você produz uma nanocelulose barata, que tem as mesmas ou até melhores propriedades que a nanocelulose da madeira, com menos gasto energético e consumo químico”, diz o pesquisador.

A equipe agora investiga se o processo pode ser ainda mais sustentável, produzindo, primeiro, biogás com o esterco e, depois, extraindo as fibras de celulose do resíduo. O biogás, composto principalmente por metano e dióxido de carbono, também pode ser usado como combustível para gerar energia ou calor.

“Você produz uma nanocelulose barata, que tem as mesmas ou até melhores propriedades que a nanocelulose da madeira, com menos gasto energético e consumo químico”, disse Andreas Mautner, integrante da pesquisa.

Autor(a): Sonoticiaboa
Fonte: http://www.sonoticiaboa.com.br/2018/04/10/papel-feito-de-esterco-de-vaca-deu-certo/
Colaborador(a): Silvio Menezes Sobrinho

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA