Logomarca Velhos Amigos

A VIDA É UMA BRINCADEIRA EVOLUTIVA
publicado em: 01/03/2018 por: Lou Micaldas

Quando eu estava com mestre Osho, na Índia, ouvi um discípulo perguntar:

- Mestre, não tenho nenhuma vontade de me iluminar. Meu único desejo é viver uma vida normal. Você pode me ajudar a ser simplesmente um ser humano?

Osho respondeu:

- Essa é a única coisa em que não posso ajudá-lo. Ninguém pode querer ser simplesmente um ser humano, porque estamos apenas de passagem por aqui. Você vai ter de continuar. Sua pergunta equivale a dizer que uma criança pode ser simplesmente criança ou um adolescente apenas adolescente. Se alguém deseja viver a vida inteira como criança ou adolescente, será desajustado. A única opção saudável de vida é aquela que o leva em direção à suprema compreensão. Ser um homem normal é somente uma pousada no meio do caminho. E ninguém pode viver eternamente em uma pousada provisória.

O cérebro humano, apesar de toda a evolução, ainda funciona como se vivêssemos na floresta. Em toda situação potencialmente ameaçadora fugimos ou atacamos. A maioria das pessoas vive em um estado de medo permanente, desconfia de tudo e de todos. Não vivemos mais nos tempos das cavernas, mas, para essas pessoas, a vida é tão ameaçadora quanto então.

Quando observamos os estilos de vida das pessoas podemos diferenciá-las em três tipos diferentes:

homem-animal
homem humano
homem divino
Quais são as diferenças entre pessoas que predominantemente vivem nessas três fases do desenvolvimento?

O homem-animal vive para evitar a dor, sua motivação é garantir a sobrevivência e resolver seus problemas quando for ameaçado de punição. É o funcionário que só melhora o desempenho quando sente medo de ser demitido, o empresário que faz as mudanças necessárias na empresa apenas quando se dá conta de que está indo à falência, o marido que só trata bem a esposa quando percebe que a está perdendo, o pai que decide dialogar com o filho quando descobre que ele está usando drogas, o adolescente que só estuda quando percebe que vai perder o ano.

São exemplos de homem-animal garantindo a sobrevivência. Pessoas assim só melhoram a maneira de agir quando se sentem ameaçadas. Mudam para não sofrer e acabam sofrendo muito para mudar. Como esse tipo de pessoa só evolui quando se sente ameaçada, ela inevitavelmente cria ameaças e fortes pressões para si mesma.

Viver como ser humano significa mais do que isso. Significa ter metas.

As diferenças entre o indivíduo animal e o humano estão justamente no estabelecimento das metas e da visão de futuro que elas representam. O primeiro evita fumar porque tem medo de uma crise asmática ou de desenvolver um câncer. O segundo pára de fumar porque sua meta é ter saúde e vida longa.

Melhorar o desempenho no trabalho pode ter uma versão animal, vivida por quem apenas quer evitar a demissão, e uma humana, proveniente da pessoa que quer galgar novos degraus na carreira.

O aluno que estuda só para passar de ano é a versão animal; aquele que estuda para construir seu futuro é a versão humana.

O marido que chega cedo em casa para evitar brigas com a esposa pode estar apenas cumprindo sua função animal, mas se ele deseja fazer da sua chegada um momento especial para o casal estará vivendo seu papel de humano.

O pai que conversa com o filho apenas por medo de que ele use drogas é um homem-animal. Mas o pai que age dessa forma para criar uma amizade sólida e bonita entre eles é um homem humano.

O ser humano atua motivado pela realização de seus objetivos. Toda ação tem um alvo mais adiante. Essa maneira de ver a vida é uma grande conquista para muitas pessoas. Ter dimensão de futuro constitui um avanço na perspectiva humana. Mas ainda falta algo.

O grande néctar da vida é a possibilidade de realizar o divino que existe dentro de cada um de nós.

O prazer de desenvolver a sua luz interior e realizar a beleza do seu ser transforma o homem na mais sublime explosão de paz e amor. Quando alguém tem plena consciência da própria grandeza como ser humano imprime a todas as suas ações mais ânimos, garra e satisfação. Trabalha melhor não porque tem medo de ser demitido ou porque pretende aumentar seu salário, mas porque sente dentro de seu coração a força da criação divina.

Vive momentos deliciosos com a família porque isso lhe dá prazer, e não só para cumprir obrigações ou ceder às queixas da esposa ou filhos.

Está sempre presente na vida dos pais porque gosta da companhia deles e não para se isentar de culpa.

O homem divino desfruta o prazer da evolução. Ele só sabe viver uma relação de amor com as pessoas. Então, as metas da sua alma concretizam-se como num passe de mágica.

Muitas pessoas conseguem experimentar a força divina na vida profissional, mas, no amor, vivem acuadas como animais enjaulados, com medo de ser rejeitadas, sentindo-se abandonadas. Por que isso ocorre?

Porque não evoluímos igualmente em todas as áreas de nossas vidas. Naqueles em que estamos menos evoluídos sofremos mais. Cada um de nós é uma obra incompleta a caminho da evolução permanente. Se fosse possível fazer um gráfico do nosso desenvolvimento, ele não seria uma linha reta ascendente. Haveria picos e quedas, muitas vezes bastante acentuadas.

Também é impossível evoluir em tudo de uma mesma maneira. Cada gráfico tem um traço que mostra nosso desempenho, de acordo com nossa evolução.

As pessoas aprendem com a dor e o prazer. Quando você descobre o prazer de evoluir, a vida flui e quando você precisa de dor a vida tornar-se um calvário.

O ser humano, quando descobre e experimenta seu significado existencial em toda a sua plenitude, transforma-se num ser divino e passa a ter poder para continuar sua criação.

Construímos família e riquezas, mas certamente nossa tarefa mais sublime é criar um homem divino, capaz de dar vida a um ser completo: nós mesmos. Continuamos a obra divina de nos criarmos com generosidade, compreensão e amor.

Por isso, avance…

Existem muito mais estrelas do que aquelas que nossos olhos conseguem enxergar; muito mais pessoas com o coração pleno de amor do que aquelas que conhecemos. Nossa casa é apenas o ponto de partida para a grande viagem em busca de nossa realização pessoal.

Na Índia, as pessoas se saúdam dizendo "namaste!", que significa: o Deus que existe em mim saúda o Deus que existe em você.

Namaste!

Autor(a): Roberto Shinyashiki - Médico Psiquiatra - Ed. Gente
Fonte: Transcrito do livro: O sucesso é ser feliz - Editora Gente

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA